18° CONIC-SEMESP | Inscrições Abertas

Anúncios

CNPq e Capes lançam chamada do Programa Talentos para Inovação

Coordenação de Comunicação Social do CNPq

O investimento total do novo edital com bolsas de inovação será de R$ 5,5 milhões

Uma parceria envolvendo as principais agências de fomento do país pretende levar às empresas a mão-de-obra e expertise qualificada dos pesquisadores brasileiros. Essa ação está no âmbito do Programa Talentos para Inovação, que pretende incentivar a inserção de novos talentos no mercado de trabalho, com a concessão de bolsas para pesquisadores atuarem nas unidades e polos da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii).

Nesse sentido, foi lançada, nesta quinta-feira, chamada que selecionará bolsistas na modalidade Bolsa Jovens Talentos (BJT). A iniciativa é fruto de um acordo firmado em 2017 entre o Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifíco e Tecnológico (CNPq), a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), o Instituto Euvaldo Lodi (IEL-NC)  e a Embrapii.  O programa abrange 27 áreas de competências tecnológicas.

As inscrições começam em 06 de fevereiro e vão até 12 de março. As bolsas terão duração máxima de doze meses e serão divididas em dois níveis de classificação: BJT,  nível A,  no valor de R$ 7 mil mensais e a BJTnível B, no valor de R$ 4 mil mensais, para pesquisadores com produção científica e tecnológica relevante ou profissional com experiência destacada em projetos de P,D&I. Serão aceitas até três bolsas por projeto.

Para Marcelo Morales, Diretor de Ciências Agrárias, Biológicas e da Saúde e Presidente Substituto do CNPq, a iniciativa é de suma importância para a inovação no Brasil. “Queremos incentivar ainda mais a inovação, que é um dos pilares da missão institucional do CNPq. A parceria entre CNPq, CAPES, EMBRAPII e IEL mostra o empenho e alinhamento das principais entidades de financiamento à pesquisa para que possamos transformar conhecimento em riqueza para o desenvolvimento do Brasil”, afirmou Morales.

Para saber mais ou se inscrever acesse: http://capes.gov.br/bolsas/programas-especiais/programa-talentos-para-inovacao

 

Coordenação de Comunicação Social do CNPq

APROVADOS Alunos de Ciência da Computação e Sistemas de Informação são aprovados em programas de Mestrado


 

Consolidando a tradição do Univem de aprovar 100% dos alunos que buscam dar continuidade em seus estudos em nível de pós-graduação Stricto-Sensu, concluintes, em 2017, dos cursos de Ciência da Computação e Sistemas de Informação do Univem foram admitidos nos principais programas de mestrado do País.

Entre os aprovados estão os bacharéis em Ciência da Computação: Valdir Júnior, Claudemir Brito Júnior, Thiago Aparecido Gonçalves da Costa, Fernanda Mayumi Ohnuma Tachibana, Matheus Ferraroni Sanches e Lucas Zanco Ladeira e os bacharéis em Sistemas de Informação: Gustavo Martos Caceres Pereira e Jordana Nogueira Silva.

Com foco no empreendedorismo e na pesquisa científica e tecnológica e por conta do cenário de inovação existente em Marília por meio do Centro de Inovação Tecnológica de Marília (CITec-Marília), do Centro Incubador de Empresas de Marília (Ciem) e do InnovaSpace Coworking – ambientes geridos pelo Univem e credenciados pelo Governo do Estado – e  em breve o Parque Tecnológico, Valdir Júnior, optou pelo mestrado em Ciência da Informação na Unesp de Marília, ele também foi aprovado na USP e UFSCar. “A matriz curricular e o incentivo à iniciação científica e ao empreendedorismo durante todo o curso foram fundamentais para a preparação e aprovação no mestrado. Hoje, por conta do Univem, Marília tem um cenário muito promissor para quem quer, como eu, investir numa startup e na área acadêmica, por que não”, comentou.

Aprovado no programa de Mestrado da USP São Carlos em Engenharia de Software e Sistemas de Informação, Claudinei Brito Júnior destacou o conteúdo programático e o fomento às pesquisas e publicações como diferenciais do Univem. “O curso oferece uma matriz curricular que atende não apenas as exigências do mercado, mas prepara o aluno para o mestrado e doutorado”, disse.

Fernanda Tachibana dedicou três anos e meio dos quatro anos da graduação à iniciação científica. Foi bolsista do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). “Esse é o diferencial do Univem: oferecer ao aluno oportunidades de pesquisa para que possam concorrer de igual pra igual com alunos das instituições públicas”.
Agregar mais qualificação no currículo profissional. Esse é o objetivo do bacharel em Ciência da Computação, Matheus Ferraroni Sanches, aprovado no Mestrado da Unicamp em Computação. Para ele, a estrutura do Univem como o laboratório de pesquisa em Computação e Sistemas de Informação, COMPSI – Computing and Information Systems Research Lab, e a orientação dos professores orientadores preparam os alunos para essa nova fase. “A faculdade mostra os caminhos, e vai dos alunos seguir esse caminho e chegar lá”, afirmou.

Já com foco na academia, Lucas Ladeira, também aprovado no mestrado da Unicamp, destacou o trabalho dos professores e orientadores do Univem no processo de escolha. “Desde o primeiro ano os alunos são incentivados à pesquisa. O Mestrado vai me preparar para compartilhar o conhecimento adquirido aqui”, salientou.

A formação mais profunda, com o objetivo de se preparar para área acadêmica também é a meta de Gustavo Pereira, aprovado no programa de Mestrado da Unesp de Marília em Ciência da Informação. “A vida acadêmica sempre me interessou e ao longo da graduação isso só cresceu. A iniciação científica e o incentivo à pesquisa foram cruciais para reforçar meu interesse pelo Mestrado Acadêmico”.

Concluinte do curso de Sistemas de Informação, Jordana Silva segue agora para o Mestrado em Interação Humano-Computador na Universidade Federal de São Carlos. “Não temos por que perder tempo. Principalmente na nossa área, o mestrado é fundamental. O mercado está cada vez mais exigente e a qualificação é essencial”, ressaltou.

O coordenador dos cursos de Ciência da Computação e Sistemas de Informação, Prof. Dr. Elvis Fusco, explicou que os cursos da área de TI do Univem têm como base os pilares da formação voltada à atuação profissional, ao empreendedorismo e inovação e à pesquisa científica. “Esse resultado da aprovação dos nossos alunos em programas de mestrado é fruto do investimento existente na pesquisa científica desde o 1º ano e na orientação de professores com alta formação acadêmica. Temos alunos com bolsa de pesquisa de órgãos de fomento como CNPq  e Fapesp e de empresas que investem na pesquisa científica para a realização de projetos de inovação”, destacou.

Aprovados em programas de Mestrado:

 

Na foto, em pé (da esquerda para a direita) os alunos Jordana Silva, Thiago Costa, Matheus Sanches e Lucas Ladeira e, sentados, Valdir Júnior, Gustavo Caceres Pereira, Fernanda Tachibana e Claudemir Brito.

Da Olimpíada de Informática ao ingresso no Mestrado
Thiago Costa participou em 2013 da 1ª Olimpíada de Informática promovido pelo Univem para alunos do Ensino Médio. De lá pra cá, ingressou no curso de Ciência da Computação, estagiou na empresa Boa Vista Serviços que mantém um centro de inovação dentro do campus do Univem com vagas exclusivas para alunos dos cursos de Ciência da Computação e Sistemas de Informação, foi contemplado com bolsas de pesquisa do CNPq, estagiou no Núcleo de Educação à Distância e foi contemplado no Programa Santander Universidades com bolsa de estudo na Europa. Caminhos oferecidos pelo Univem que o ajudaram a ser aprovado no Mestrado em Ciência da Computação na USP de São Carlos. “O Univem proporciona aos alunos vantagens que outras instituições de ensino superior não oferecem. A partir do segundo ou terceiro ano não existem alunos que não estejam trabalhando na área ou fazendo pesquisa com bolsa. O Univem prepara os alunos para os caminhos que eles quiserem seguir”, afirmou.

 

Alunos de TI do Univem visitam Google Campus Coworking

No dia 28 de novembro, os cursos de Bacharelado em Ciência da Computação e Bacharelado em Sistemas de Informação do Univem organizaram visita técnica dos seus alunos ao Google Campus, espaço de coworking e incubadora do Google em São Paulo.

Um espaço de coworking se traduziria como um escritório compartilhado, no qual diversas empresas utilizam esse espaço para desenvolver os seus projetos. Esse momento na vida de uma empresa é chamado de pré-incubação. De acordo com o responsável pela visia, o Prof. Dr. Allan Oliveira, “o espaço de coworking é um ambiente que ajuda o aluno com uma ideia a transformar essa ideia em um produto, e fazer testes no mercado para provar a validade do seu negócio”.

Em Marilia, o Univem, como gestor do Centro de Inovação Tecnológica de Marília – CITec-Marília, fundou esse ano o próprio espaço de coworking chamado InnovaSpace Coworking. A viagem ao Google Campus foi para que vários participantes do InnovaSpace e interessados na criação de sua empresa conhecessem um espaço consagrado de coworking. As empresas nos espaços de coworking são chamadas de Startups e estão na fase inicial de sua vida. Uma Startup é simplesmente uma empresa alinhada a uma cultura de inovação através da tecnologia, e grandes empresas de tecnologia que conhecemos hoje começaram como Startups, como por exemplo Google e Facebook.

O Google Campus também oferece um espaço de incubação de uma empresa. Essa fase na vida de uma empresa é importante para acelerar seu crescimento e consolidar seu negócio, e acontece quando ela começa a ter clientes e renda o suficiente para se sustentar com suas próprias pernas.

Em Marília, o Univem mantém desde o ano 2000, o Centro Incubador de Empresas de Marilia – CIEM, que abriga diversas empresas de base tecnológica de sucesso. As empresas incubadas recebem consultoria em diversas áreas, como gestão, jurídica e contábil, e apoio para captação de recursos.

A visita ao Google Campus foi encerrada com um evento sobre inovação com palestra e rodada de pitches. Pitches são apresentações curtas de uma ideia de negócio que Startups fazem para investidores. Como parte de sua missão de promover uma competência empreendedora em seus alunos, o Univem organiza o seu próprio campeonato de pitch, chamado de Marília Startup Pitch Day. O Prof. Dr. Elvis Fusco, coordenador do Marília Startup Pitch Day, diz que o evento “tem a perspectiva de reunir Startups a investidores, possibilitando a aceleração de ideias inovadoras que impulsione o empreendedorismo na região de Marília”. Os vencedores do evento, além de receber assessoria jurídica e marketing gratuita, também receberam como prêmio a viagem ao Google Campus.

Por fim o CITec-Marília e o CIEM estão sempre promovendo eventos para reunir a comunidade empreendedora e de Startups, e o InnovaSpace Coworking está com vagas abertas para inscrição de projetos de base tecnológica com o cunho inovador.

Para conhecer mais sobre o InnovaSpace Coworking do Univem, acesse www.innovaspace.com.br.

Coordenador do Univem apresenta palestra sobre inovação na Espanha

O coordenador dos cursos de Ciência da Computação e Sistemas de Informação e do Centro de Inovação Tecnológica de Marília – CITec-Marília e do Centro Incubador de Empresas de Marília – Ciem, Prof. Dr. Elvis Fusco, realizou neste mês de outubro uma série de atividades ligadas às temáticas do empreendedorismo e da inovação na Espanha.

 

O coordenador foi convidado para palestrar a conferência “Ecosistema Brasileño de Innovación: Estudio de caso del Sistema Paulista de Innovación” para estudantes e pesquisadores da região de Valência. Na oportunidade apresentou os resultados de sua  pesquisa de pós-doutorado que realiza na Universidade de São Paulo – Usp.

“O objetivo da palestra foi apresentar um panorama das políticas e investimentos do ecossistema brasileiro de inovação e o sistema local de inovação de Marília como case de sucesso no estado de São Paulo demonstrando o modelo de governança dos ambientes de empreendedorismo, inovação e tecnologia que são mantidos pelo Univem”, explica o Prof. Elvis.

A cidade de Marília é referência no estado de São Paulo no que se refere aos seus ambientes de empreendedorismo, inovação e tecnologia como o CITec-Marília, o Ciem, o InnovaSpace Coworking e o Arranjo Produtivo Local de Tecnologia da Informação, APL TI Marília e, na oportunidade, o coordenador do Univem pode apresentar esse modelo de sucesso para o público espanhol.

 

Com a cidade de Marília prestes a receber o credenciamento do Parque Tecnológico por parte do Governo de São Paulo, o coordenador do Univem também realizou atividades de intercâmbio com pesquisadores e visita técnica no Parque Científico e Tecnológico de Madrid. “Já realizamos visitas em vários Parques Tecnológicos no Brasil e nesta oportunidade pude conhecer o modelo espanhol que apresenta iniciativas importantes de interação entre a academia e suas pesquisas científicas com as demandas de inovação tecnológica do setor produtivo”, conclui o coordenador.

Professores e alunos de Ciência da Computação e Sistemas de Informação do Univem publicam trabalho em importante evento científico internacional

Professores e alunos dos cursos de Ciência da Computação e Sistemas de Informação do Univem, membros do Grupo de Interação Humano-Computador (GIHC) do laboratório de pesquisa Compsi (Computing and Information Systems Research Lab), comemoram mais uma importante publicação internacional, desta vez no evento Fusion (20th International Conference on Information).

Membros do grupo de Interação Humano-Computador do Univem

 

A Conferência Fusion é um fórum privilegiado para o intercâmbio das mais recentes pesquisas na área de fusão de informação, campo que permeia as áreas de Computação e Sistemas de Informação, e que obteve expressiva relevância em tempos atuais em que há a necessidade de entender e combinar dados em grande quantidade e variedade (ex: postagens de redes sociais, notícias em websites e dados de sensores de smartphones). A edição de 2017 do Fusion foi realizada em Xi’an, China, entre os dias 10 e 13 de julho de 2017.

A conferência reúne pesquisadores e profissionais da indústria e da academia para informar os últimos avanços científicos e técnicos na área. Os autores são convidados a enviar artigos descrevendo avanços e aplicações na fusão de informações, os quais são submetidos a uma avaliação rigorosa. É importante ressaltar que este evento é classificado como categoria A1, indicador máximo de qualidade de acordo com a Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), entidade que avalia a qualidade de eventos e periódicos.

O Prof. Dr. Leonardo Botega, líder do GIHC e coordenador da pesquisa, explica que o trabalho busca apresentar uma solução de apoio a sistemas de tomada de decisão, mais especificamente a sistemas de gerenciamento de emergências, como os da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros.

O Prof. Leonardo lembra que “a publicação e participação de alunos de iniciação científica em grandes eventos solidifica a competência científica da instituição nas áreas de Computação e Sistemas de Informação e que tal atividade contribui fortemente para uma formação acadêmica mais completa dos jovens estudantes”. O professor também destaca que as parcerias foram essenciais para o sucesso deste trabalho, tais como com a Profa. Dra. Regina Borges de Araújo, da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), e com o Prof. Dr. Leandro Aparecido Villas, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

O aluno do curso de Ciência da Computação do Univem, Valdir Amâncio Pereira Junior, coautor do artigo explica que “o trabalho tem o objetivo de utilizar múltiplas fontes de dados, como denúncias ao 190 ou 193, e combiná-las para obter uma informação única e mais importante”. O aluno do curso de Sistemas de Informação, Jordan Ferreira Saran, também coautor do trabalho, explica que “busca-se também combinar informações com base no significado de cada informação presente em relatos de vítimas a centrais de atendimento emergências”.

O Prof. Dr. Allan Oliveira, também professor do Univem, pesquisador do grupo e participante da pesquisa, acrescenta que “fornecer subsídios para uma melhor tomada de decisão pode ajudar operadores de sistemas de gerenciamento de emergências a melhor entender os eventos que ocorrem em tempo real e apoiar a alocação de recursos para um atendimento mais eficiente”.

Para acessar o artigo (em inglês): http://ieeexplore.ieee.org/document/8009851