Arquivos da Categoria: Mercado de Trabalho

Empresas e startups terão R$ 53,6 milhões do Senai, do Sebrae e do Sesi para investir em inovação

Novo Edital de Inovação para a Indústria recebe inscrições a partir desta semana. Indústrias podem receber fomento de até R$ 400 mil por projeto

Projetos inovadores terão incentivo de mais de R$ 53,6 milhões neste ano para serem desenvolvidos e chegarem ao mercado. A partir desta segunda-feira (20), o novo Edital de Inovação para a Indústria, antes conhecido como Edital Senai Sesi de Inovação, começa a receber inscrições de empresas de todos os portes e startups interessadas em financiar ideias de produtos e processos inovadores. O lançamento da iniciativa foi feito pelo presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, e pelo presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos, na sexta-feira (17), durante reunião da Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI), grupo coordenado pela CNI que reúne executivos das 200 maiores empresas brasileiras.

Criado em 2004, o Edital Senai Sesi de Inovação mudou de nome este ano com a parceria do Sebrae, o que vai permitir atender uma fatia ainda maior das demandas da indústria por ideias inovadoras. Duas novas categorias foram criadas: Inovação Tecnológica para Micro e Pequenas Empresas Industriais, MEI e Startups e Empreendedorismo Industrial. O objetivo é incentivar a conexão entre grandes empresas e startups de base tecnológica e o investimento em inovação nos micro e pequenos negócios.

Destinado a promover a cultura de inovação e aumentar a produtividade das indústrias, o Edital conta com investimento de R$ 30 milhões do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), R$ 20 milhões do Sebrae e R$ 3,6 milhões do Serviço Social da Indústria (Sesi). Neste ano, a meta é financiar 285 projetos com custo individual de R$ 75 mil a R$ 400 mil.

“Investir em inovação é um caminho para a indústria se tornar mais competitiva e sair fortalecida deste momento de dificuldades econômicas. Com novos parceiros e maior volume de recursos, o novo Edital de Inovação da Indústria será instrumento decisivo no fomento à inovação no Brasil”, afirma o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade. “O estímulo à conexão entre grandes indústrias e criativos empreendedores de startups também é iniciativa que vai oxigenar o ambiente de negócios brasileiro. Ganham as empresas já estabelecidas, que aprendem a inovar não apenas em tecnologia como em modelos de negócios, e ganham as startups, que se inserem em cadeias produtivas que podem determinar seu sucesso”, completa.

A expectativa é beneficiar, já em 2017, projetos de inovação oriundos de 150 a 200 pequenos negócios. Segundo o presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos, a iniciativa tem o objetivo de estimular as pequenas indústrias e micro e pequenas empresas de base tecnológica a apresentarem projetos inovadores com aplicação na indústria. “A inovação é fundamental para o desenvolvimento dos pequenos negócios, que hoje representam um universo de 98% das empresas brasileiras. A entrada do Sebrae neste Edital vai permitir a integração das MPE à lógica das grandes empresas, gerando oportunidades e novos negócios.  As categorias do edital inovação tecnológica e empreendedorismo digital irão conectar jovens empreendedores a empresas já estabelecidas”, afirma Afif.

Potencial inovador

Os projetos serão selecionados em três ciclos com base em critérios como potencial de inovação e de comercialização do produto ou do processo. Toda e qualquer empresa do setor industrial e startups de base tecnológica podem inscrever propostas no site http://www.editaldeinovacao.com.br nas seguintes categorias:

  1. A) Inovação Tecnológica para Grandes e Médias Empresas: projetos de até R$ 400 mil apresentados por empresas industriais desses portes de todos os segmentos. O objetivo é o desenvolvimento tecnológico para transformar ideias em inovação em fato; validação de conceitos, plantas-piloto, melhorias de desempenho, testes em geral, acreditação, utilização de técnicas para produção em escala etc.
  2. B) Inovação Tecnológica para Micro e Pequenas Empresas Industriais e Startups: projetos de até R$ 400 mil apresentados por empresas industriais desses portes de todos os segmentos. O objetivo é o desenvolvimento tecnológico e demais necessidades para transformar ideias em inovação em fato, colocando os produtos e processos inovadores no mercado. São feitos validação de conceitos, plantas-piloto, melhorias de desempenho, testes em geral, acreditação, utilização de técnicas para produção em escala etc.
  3. C) Empreendedorismo Industrial: instituições âncoras (grandes empresas, investidores e parceiros) apresentam desafios a serem solucionados por interessados (startups de base tecnológica e micro e pequenas empresas). Entre as soluções apresentadas, a instituição âncora escolherá com qual empresa quer trabalhar. Cada projeto recebe investimento de até R$ 400 mil.
  4. D) Inovação em Saúde e Segurança do Trabalho e Promoção da Saúde: desenvolvimento de adaptações ou customizações de novas tecnologias, serviços inovadores, soluções nos processos e produtos aplicados às demandas industriais. Os projetos serão realizados durante 18 meses, com investimento máximo de R$ 150 mil por proposta.
  5. E) Inovação Setorial em Segurança e Saúde no Trabalho e Promoção da Saúde (para indústrias de construção, frigorífico e mineração): desenvolvimento de novas tecnologias, serviços inovadores, soluções nos processos e produtos aplicados às indústrias prioritárias. Inclui temas como higiene ocupacional, ergonomia, gestão de fatores psicossociais, do absenteísmo e retorno ao trabalho, longevidade, métricas para a saúde, entre outros. Os projetos serão realizados durante 18 meses, com investimento máximo de R$ 3 00 mil por proposta.
  6. F) Empreendedorismo Industrial em Segurança e Saúde do Trabalho e Promoção da Saúde: desenvolvimento de aplicativos ou ferramentas tecnológicas de soluções para segurança e saúde do trabalho e promoção da saúde do trabalhador. Os projetos serão realizados durante 12 meses, com investimento máximo de R$ 75 mil por proposta.

Startups tecnológicas

Desde a primeira edição, o Edital de Inovação já mobilizou R$ 380 milhões em aproximadamente 700 projetos inovadores de 600 empresas. Entre os selecionados, 76% foram apresentados por pequenas empresas e startups de base tecnológica.  O edital prevê um bônus de 100 pontos para as seguintes startups inovadoras:

  • Formadas a partir de projetos finalistas do Inova Senai Nacional a partir de 2015;
  • Finalistas da fase 3 do programa Inovativa Brasil do MDIC a partir de 2014;
  • Apoiadas pelo programa Startup Brasil do MCTI a partir de 2016;
  • Finalistas das edições do Lemonade a partir de 2016;
  • Vencedoras do ITA Challenge a partir de 2016;
  • Selecionadas pelo SENAI no Open 100 Startups a partir de 2016;
  • Selecionadas pelo programa Startup Farm a partir de 2016
  • Selecionadas por programas de Aceleração ou Incubação do Sistema Indústria
  • Vencedoras do prêmio de Inovação da AHK
  • Empresas participantes do Programa Agentes Locais de Inovação;
  • Empresas participantes do Programa Encadeamento Produtivo do Sebrae;
  • Empresas atendidas pelo Sebrae na carteira de startups Sebrae Like a Boss;
  • Empresas atendidas pelo Sebrae em Projetos de Alto Impacto ou Scale Up;
  • Empresas finalistas do Programa Inovativa;
  • Empresas instaladas ou graduadas em Parques Tecnológicos, aceleradoras ou incubadoras de empresas.

Em 2016, o Edital recebeu 886 propostas e investiu R$ 23,5 milhões em 73 projetos aprovados nas três seleções. Da lista de projetos aprovados, 33 foram apresentados por startups, 18 por pequenas, 11 por médias e 11 por grandes empresas. A agência de inovação sueca Vinnova, a aceleradora de empresas Techmall S.A e a Fundepar, gestora de um programa de investimentos para firmas emergentes, já apresentaram desafios específicos solucionados por jovens empresas e startups.

Além do fomento, o Senai e o Sesi oferecem apoio na forma de infraestrutura. Uma rede nacional com 25 Institutos de Inovação realiza pesquisa tecnológica e desenvolve novos produtos e soluções diretamente com empresas de todos os portes. O SENAI conta ainda com 57 Institutos de Tecnologia com 1,2 mil especialistas que prestam serviços em áreas como metrologia, testes de qualidade, consultoria em processos produtivos específicos de diferentes setores, entre outros. Parcerias com Institutos de Ciência e Tecnologia, a maioria presentes em universidades públicas, também ajudam a concretizar as ideias selecionadas.

Serviço

Período de submissão das categorias A e B: de 20 de março a 6 de novembro de 2017, empresas interessadas no financiamento podem apresentar propostas.

Anúncio das seleções das categorias A e B: os resultados são apresentados em três datas: 24 de julho e 6 de novembro de 2017 e 19 de fevereiro de 2018

Apresentação de desafios por instituições-âncora na categoria C: de 20 de março de 2017 a 27 de janeiro de 2018 no endereço http://www.editaldeinovacao.com.br. Os selecionados são anunciados ao longo do ano.

Período de submissão das categorias D, E e F: de 20 de março a 23 de agosto de 2017, empresas interessadas no financiamento podem apresentar propostas.

Anúncio das seleções das categorias D, E: os resultados são apresentados em 16 de novembro e 5 de fevereiro de 2017

Anúncio das seleções da categoria F: os resultados são apresentados em 1º de julho e 5 de outubro de 2017

Assessoria de Imprensa Sebrae

Programa Nacional Conexão Startup Indústria

mail

Prezados associados,

 

É com prazer que anunciamos e incentivamos a participação de todos no Programa Nacional Conexão Startup Indústria, lançado, quinta-feira (16/03), pela Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), em parceria com o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC).

Com o objetivo de promover o ambiente de negócios entre startups e indústrias, atuando com foco em ações de integração digital das diferentes etapas da cadeia de valor dos produtos industriais, o programa oferecerá acesso real ao mercado para as startups, negociação para a venda do piloto para a indústria, e ainda a oportunidade de aporte financeiro de até R$ 700 mil.

Serão selecionadas 100 startups, 10 indústrias e 20 instituições de apoio ao desenvolvimento de negócios. As incubadoras e aceleradoras associados à Anprotec se caracterizam como “instituições de apoio ao desenvolvimento de negócios”.

Podem participar da seleção, startups incubadas e graduadas que tenham competência e interesse em desenvolver soluções para a indústria, com mais de um ano de existência e menos de sete. Os interessados têm até o dia 12 de abril para se inscreverem.

ETAPAS

Após a seleção, os participantes farão um matchmaking onde serão formados 10 grupos de trabalho. As indústrias escolherão até quatro startups cada, de acordo com suas demandas, e as instituições de apoio de negócios indicarão as startups que têm interesse de se conectar.

Já a terceira etapa, consistirá em uma prova de conceito em que 40 startups receberão até R$ 200 mil cada. E, posteriormente, as startups apresentarão suas soluções para as indústrias participantes do programa, que escolherão 10 startups que receberão até R$500 mil para o desenvolvimento conjunto de um projeto piloto.

Por fim, a experiência da conexão será compilada e compartilhada com a indústria nacional.

Clique AQUI e acesse o edital.
Clique AQUI e faça sua inscrição.
Atenciosamente,
Equipe Anprotec

rodapmail1

Se você não deseja mais receber nossos e-mails, cancele sua inscrição neste link

Ex-aluna de Computação do Univem assume cargo no Ministério da Saúde

A ex-aluna do curso de Bacharelado em Ciência da Computação do Univem e atualmente professora do Instituto de Informática da Universidade Federal de Goiás (UFG), Juliana Souza-Zinader, foi empossada, nesta segunda-feira (13/3), como coordenadora-geral de monitoramento e avaliação do Departamento de Monitoramento e Avaliação do SUS (DEMAS), da Secretaria-Executiva do Ministério da Saúde. A nomeação foi um convite do Ministro da Saúde, Ricardo Barros, em reconhecimento a formação e contribuição da profissional na área de Informática em Saúde alinhada ao projeto prioritário de informatização dessa gestão, em especial as estratégias de e-saúde.

A indicação se deu após o XV Congresso Brasileiro de Informática em Saúde, realizado pela Sociedade Brasileira de Informática em Saúde (SBIS) e promovido pela Universidade, em novembro do ano passado, do qual a docente foi presidente. O evento teve como tema “A informática transformando a saúde” e, além do ministro, a abertura oficial teve a participação do reitor da UFG, professor Orlando Afonso Valle do Amaral, entre outras autoridades representativas do governo, sociedade e academia.



Juliana é ex-aluna do curso de Ciência da Computação do Univem


Juliana tem doutorado em Bioengenharia, no qual desenvolveu a sua tese e um pós-doutoramento no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP de Ribeirão Preto/SP. Ela acredita que os seis anos vivenciando a prática clínica foram fundamentais para a sua formação e desdobramentos na área. Na UFG, é membro da Comissão de Governança da Informação em Saúde e atua também como diretora de educação da Sociedade Brasileira de Informática em Saúde.

Mulheres formadas no Univem fazem sucesso no mercado de TI

Sabe os aplicativos instalados no seu celular ou os programas de computador que você usa no seu dia a dia? No cenário nacional e internacional, eles provavelmente foram desenvolvidos por equipes majoritariamente masculinas. No Brasil, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio, apenas 20% dos profissionais que atuam no mercado de Tecnologia da Informação (TI) são mulheres. Em Marília essa realidade está sendo alterada. Mulheres formadas pelos cursos de Ciência da Computação e Sistemas de Informação do Centro Universitário Eurípides de Marília (Univem) têm mostrado resultados importantes como profissionais de TI.

Segundo o Prof. Dr. Elvis Fusco, coordenador dos cursos de Ciência da Computação e Sistemas de Informação, o Univem forma, há quase 20 anos, mulheres que atuam como profissionais de destaque nas principais empresas da região. Muitas são empresárias na área de TI e outras se tornaram pesquisadoras e docentes em importantes instituições de ensino. “O Univem tem uma tradição na formação de mulheres para o mercado de TI, atualmente elas são 30% do corpo docente dos cursos de Ciência da Computação e Sistemas de Informação”, destaca Elvis.

O Prof. Dr. Fábio Dacêncio Pereira, coordenador de Pesquisa e Extensão do Univem, enfatiza que muitas delas ocupam espaços nobres na área e também possuem formação diferenciada que inclui mestrado, doutorado e pós-doutorado. “Atualmente ex-alunas formadas no Univem ocupam importantes posições nos mercados acadêmico, profissional e empreendedor”, conclui o professor.

Formada em Ciência da Computação do Univem, Merley Conrado atualmente mora nos EUA e trabalha em uma das maiores empresas de tecnologia no mundo, a Intel. Merley é mestre e doutora pela Universidade de São Paulo. Especialista em aprendizado de máquina e inteligência artificial, ela ocupa um cargo importante para os planos futuros da Intel.

Juliana Pereira de Souza Zinader, formada em Ciência da Computação pelo Univem, é doutora em Ciências/Bioengenharia com Pós-doutoramento em Neuroimagem pela Universidade de São Paulo (USP). Atualmente é professora da Universidade Federal de Goiás e auditora sênior do Processo de Certificação de Sistemas Registro Eletrônico em Saúde (S-RES) da Sociedade Brasileira de Informática em Saúde (SBIS), onde também atua como diretora de educação.

No empreendedorismo, destaca-se Giulianna Marega Marques. Possui graduação em Ciência da Computação pelo Univem,  instituição na qual atua como professora dos cursos de Ciência da Computação e Sistemas de Informação. Giuliana é fundadora e CEO da empresa PERSYS Projetos de Inovação Tecnológica, empresa bem sucedida na área que emprega muitos alunos de Ciência da Computação e Sistemas de Informação do Univem.

Essas profissionais representam as mulheres que o Univem formou nos últimos anos e inspiram a nova geração. Para Bárbara Caroline Rosa de Almeida, aluna ingressante no curso de Ciência da Computação do Univem, a Tecnologia sempre foi sua paixão.  “Logo no início do curso aprendi que agora ser o melhor não é mais o suficiente, porque todos estão empenhados em ser o melhor! O segredo está em ser único e diferente. E foi ali que tive a certeza de ter feito a escolha certa. Entrei no curso de Ciência da Computação do Univem para ganhar o meu espaço e fazer a diferença”, comenta Bárbara.


Andressa da Silva Cabrini, Mônica Gregório Colomera, Bárbara Caroline Rosa de Almeida e Jéssica Vicentini (alunas de Ciência da Computação)


Bárbara enfatiza que nos primeiros dois meses de graduação, a instituição, o curso, os docentes e coordenadores já surpreendem com novas oportunidades e conhecimentos. “Estou feliz e realizada por fazer parte da família Univem, só tenho a agradecer a todos por estar me proporcionando à realização desse sonho.”, comemora Bárbara.

Mônica, também aluna de Ciência da Computação, destaca que logo nas primeiras semanas de curso já se sentiu bem recebida e extremamente confortável e está mergulhada nos livros e softwares e explorando o máximo de cada professor e disciplinas.

A Profa. Dra. Raquel Cristina Ferraroni Sanches, pró-reitora de graduação do Univem, comemora a grande procura de mulheres pelos cursos de TI da instituição. “Ao contrário da média nacional, os cursos de Ciência da Computação e Sistemas de Informaçãodo Univem têm atraído um número expressivo de mulheres, fruto do sucesso de nossas ex-alunas no mercado de tecnologia que inspira as novas gerações”, destaca a pró-reitora do Univem.

Matéria sobre o CIEM e o CITec-Marília no Visão de Mercado

 

Vaga para Programador PHP

phpConhecimento obrigatório: Desenvolvimento, gestão e manutenção de webservices e aplicativos; Experiência com linguagem PHP; Desenvolvimento de site dinâmico; vivência com banco de dados MySQL; conhecimentos de HTML e Javasript e conhecimentos servidor Linux.

Horário de Trabalho: Segunda a Sexta das 8hrs as 18hrs, uma hora e quinze de almoço.

Salário: a combinar.

Benefícios: fora o salário, haverá mais duzentos reais em dinheiro referente ao valor do transporte e cesta básica.

INTERESSADOS DEVERÃO ENCAMINHAR CURRÍCULO PARA O E-MAIL: comercial@sisfrete.com.br, com assunto VAGA PROGRAMADOR.

Estaremos selecionando os currículos e chamando para aplicação de teste.

A melhor formação superior em Computação e Tecnologia da Informação é no Univem

TI em alta: saiba quais são as áreas em destaque no Brasil e o salário delas

Um estudo realizado pela consultoria Robert Half sobre o mercado de trabalho em 2017 aponta que o ano será de bons rendimentos para os profissionais do setor de TI. De acordo com a análise, o salário de alguns profissionais pode aumentar em mais de 25%.

Apesar de otimista, a previsão leva em conta que o histórico recente da área. As áreas mais aquecidas são de e-commerce, mobile e aplicativos, além do mercado de fintechs. Todas receberam investimentos agressivos recentemente.

Para Fábio Saad, gerente sênior da Robert Half, os profissionais de TI poderão exercer até mesmo funções nem sempre ligadas diretamente com o tecnologia da informação. “O profissional de tecnologia passa a ocupar o papel que foi do engenheiro recentemente”, afirma.

Publicidade

Demanda

As empresas – em geral do setor de mobile e web, startups e fintechs – estarão buscando profissionais para os seguintes cargos: Gerente de Projetos, Gerente de Tecnologia, Desenvolvedor de Operações, Consultor Funcional, Analista de Negócios e de Suporte.

A preferência é por candidatos que já tenham experiência sólida na área, inglês fluente e que possuam perfil interativo e bom relacionamento interpessoal. O estudo ainda aponta que os profissionais com facilidade para programar em qualquer linguagem e com conhecimentos no desenvolvimento de apps para as plataformas iOS e Android poderão se dar bem no próximo ano.

Para ilustrar a média salarial dos cargos com demanda de profissionais, a consultoria apontou três cargos com destaque.

Desenvolvedor de software

  • Salário em 2016: R$ 3.100 – R$ 8.000
  • Salário em 2017: R$ 3.255 – R$ 11.000

Gerente de produto

  • Salário em 2016: R$ 8.000 – R$ 15.000
  • Salário em 2017: R$ 8.000 – R$ 20.000

Gerente de Big Data

  • Salário em 2016: R$ 8.000 – R$ 18.000
  • Salário em 2017: R$ 10.000 – R$ 20.000

Meetup Share de Marília

logo_meetups

Faltam apenas duas semanas para o primeiro Meetup Share de Marília, evento que promoverá networking e troca de experiências!

Será dia 13 de outubro às 18h30, no Auditório Shunji Nishimura – Univem.

O Willians Marques, CEO da Tray, falará a respeito da cultura de ser um empreendedor, além de um empreendedor da região trazido pelo SEBRAE para trocar algumas experiências com vocês.

Inscrevam-se em: http://meetupshare.herokuapp.com.

 

Marília recebe reconhecimento de APL em TI

Aconteceu nesta terça (27/09) evento de lançamento oficial do APL TI Marília em comemoração ao recente reconhecimento do Governo do Estado de São Paulo ao polo de Tecnologia da Informação de Marília que incluiu a cidade na Rede Paulista de Arranjos Produtivos Locais da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação (www.desenvolvimento.sp.gov.br/lista-de-apls).

O evento reuniu empresários do setor, associados da ASSERTI, autoridades e convidados. Marília está oficialmente no radar paulista e nacional da Tecnologia da Informação e bons investimentos e eventos vão acontecer no setor.

006.jpg

Juliana Arnaut de Santana, diretora técnica responsável pelo Programa de Fomento aos Arranjos Produtivos Locais, explica que os Arranjos Produtivos Locais (APLs) são são concentrações de empresas que atuam em atividades similares ou relacionadas, que, sob uma estrutura de governança comum, mantém vínculos de articulação, interação, aprendizagem e cooperação entre si e com outras entidades públicas e privadas..

Segundo Juliana, uma das vantagens do APL é facilitar o acesso de micro, pequenas e médias empresas a programas de gestão empresarial, mercado, processo, produtos e linhas de financiamento, visando ao seu fortalecimento no mercado interno e acesso ao externo. Outra vantagem é incentivar a troca de informações entre as próprias empresas, com as entidades de classe, governos e instituições de ensino e pesquisa. Essa interação entre as empresas aprimora suas vantagens competitivas, vislumbrando um cenário de estratégias de crescimento e desenvolvimento e não mais de concorrência predatória.

A elaboração do projeto de solicitação do credenciamento foi realizada pela Asserti (Associação de Empresas de Serviços de Tecnologia da Informação) e protocolada na Coordenadoria de Desenvolvimento Regional e Territorial do Governo do Estado em 25 de agosto de 2016. Em 06 de setembro, o Governo do Estado divulgou o credenciamento do APL TI Marília que a, partir de agora, a Asserti passa a ser a entidade gestora que exerce a governança do APL.

Para solicitar o credenciamento, a Asserti elaborou projeto que demonstra a existência de um aglomerado de empresas de TI localizadas na região de Marília que apresentam uma especialização produtiva e mantém vínculos de articulação, interação, cooperação e aprendizagem entre si, isso inclui parcerias com a Prefeitura, associações empresariais, instituições de crédito, ensino e pesquisa e entidades representativas.

O APL TI Marília é composto por empresas atuantes no ramo de Tecnologia da Informação, por instituições de ensino públicas e privadas, por entidades sem fins lucrativos, associações de classe, comunidades científicas, órgãos de fomento e órgãos públicos, localizados em Marília e cidades circunvizinhas, todos trabalhando em parceria para crescimento e desenvolvimento empresarial, social e econômico da região do centro-oeste do Estado de São Paulo. São mais de 200 empresas gerando mais de 2.500 empregos diretos e indiretos em mais de 13 cidades da região.

O Prof. Dr. Elvis Fusco, presidente da Asserti, palestrou sobre o APL TI Marília, destacando a importância da conquista: “com o credenciamento do APL TI Marília, as empresas poderão se beneficiar das oportunidades que serão geradas pela Rede Paulista de APLs, independentemente de ser ou não associadas da Asserti. Por meio do APL, vamos ampliar a aceleração do desenvolvimento econômico local e regional, além de destacar as empresas de TI da região e torná-las ainda mais competitivas”.

008.jpg

Entre os benefícios permanentes do reconhecimento, estão o acesso a projetos e recursos dos órgãos que compõem a Rede Paulista de APLs e a habilitação do APL para utilizar recursos priorizados no Orçamento do Estado para Arranjos Produtivos Locais.

“Com este reconhecimento formal, nosso município passou a integrar um grupo de elite no cenário da Tecnologia da Informação no estado de SP, considerando que dentre os 645 municípios paulistas somente 5 cidades possuem o reconhecimento oficial de APL na área de Tecnologia da Informação”, destaca Elvis.

Outro fato relevante é que no Centro Oeste Paulista, Marília é única cidade que possui um APL reconhecido e credenciado seja em qualquer área industrial. Tal fato se deve ao intenso trabalho da equipe de pesquisadores, da organização e atuação das empresas associadas da Asserti e da Prefeitura de Marília, trabalhando de forma sinérgica na busca de melhores resultados competitivos para os empresários que optam por investir em Marília.

Para conhecer mais sobre a ASSERTI acesse o site da instituição: www.asserti.org.br ou pelo telefone: (14) 2105-0800 Ramal 354.