Arquivos da Categoria: COMPSI

Univem promove evento internacional de software livre

No dia 08 de abril, o Univem sediará pela sexta vez o FLISOL – Festival Latino-americano de Instalação de Software Livre, evento internacional realizado simultaneamente em mais de 20 países desde 2005. O objetivo principal é promover a cultura do uso do Software Livre, mostrando ao público em geral a filosofia e a difusão de tecnologias de informação.

O evento é aberto a toda comunidade de Tecnologia da Informação da região e tem como atrações: palestras, minicursos e distribuição de softwares livres. O Flisol em Marília é realizado pelos cursos de Ciência da Computação e Sistemas de Informação do Univem por meio do COMPSI – Computing and Information Systems Resource Lab.

O Flisol é organizado pelos professores e alunos do Univem e é dirigido e aberto a todo tipo de público: estudantes, acadêmicos, empresários, profissionais, entusiastas e qualquer pessoa que tenha interesse, independente de seu conhecimento de Tecnologia da Informação..

No FLISOL, realizado desde 2011 em Marília, você terá a oportunidade de instalar software livre, que é uma alternativa real e segura para outros modelos de software no seu computador, participar de palestra e minicursos, esclarecer suas dúvidas e conhecer algumas das diversas soluções que o Software Livre apresenta para empresas, escolas, governo e até para uso pessoal. Vale lembrar que o evento é totalmente gratuito e livre e as palestras e minicursos serão certificados.

O evento será aberto com a palestra “A revolução da cultura maker e Internet das Coisas”, ministrada pelo profissional do Google, Neto Marin, que abordará a cultura do software livre, o movimento maker no contexto da Internet das Coisas. No período tarde acontecerão minicursos sobre Desenvolvimento WEB com Python e Django, OpenMP, Framework para Software Web, Controle de Versão usando Git, GNU/Linux, Ruby, Arduino e WEKA.

De acordo com o professor e coordenador do evento, Dr. Leonardo Botega, o principal objetivo do festival é apresentar alternativas quanto aos produtos oferecidos no mercado de softwares e propagar o quer chama de “filosofia do software livre”. “O intuito é ampliar a formação do aluno a apresentar novas possibilidades para empresas e profissionais da área com a cultura do software livre”, destacou.

O festival acontece em 60 cidades-sede simultaneamente no decorrer de todo o dia. “Trata-se de uma oportunidade de network. Enquanto o evento acontece aqui em Marília, trocamos informações com outros países e nos informamos do que está acontecendo por lá. Assim, conseguimos alinhar os objetivos do evento como um todo”, explicou Botega.

O coordenador dos cursos de Ciência da Computação e Sistemas de Informação do Univem, Prof. Dr. Elvis Fusco, destaca Marília como forte referência na área de Tecnologia da Informação. “As instituições de ensino têm uma responsabilidade muito grande neste contexto de Marília ser reconhecida como polo regional de TI e o Univem exerce seu papel trazendo para a região eventos de expressividade nacional com apoio do CNPq, da Sociedade Brasileira de Computação e das empresas de TI da região por meio da ASSERTI (Associação das Empresas de Serviços de Tecnologia da Informação)”, explica Fusco.

 

Mais informações e inscrições devem ser feitas pelo site http://www.univem.edu.br/compsi/flisol.

 

 

FLISOL – Festival Latino-americano de Instalação de Software Livre

 

Programa Nacional Conexão Startup Indústria

mail

Prezados associados,

 

É com prazer que anunciamos e incentivamos a participação de todos no Programa Nacional Conexão Startup Indústria, lançado, quinta-feira (16/03), pela Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), em parceria com o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC).

Com o objetivo de promover o ambiente de negócios entre startups e indústrias, atuando com foco em ações de integração digital das diferentes etapas da cadeia de valor dos produtos industriais, o programa oferecerá acesso real ao mercado para as startups, negociação para a venda do piloto para a indústria, e ainda a oportunidade de aporte financeiro de até R$ 700 mil.

Serão selecionadas 100 startups, 10 indústrias e 20 instituições de apoio ao desenvolvimento de negócios. As incubadoras e aceleradoras associados à Anprotec se caracterizam como “instituições de apoio ao desenvolvimento de negócios”.

Podem participar da seleção, startups incubadas e graduadas que tenham competência e interesse em desenvolver soluções para a indústria, com mais de um ano de existência e menos de sete. Os interessados têm até o dia 12 de abril para se inscreverem.

ETAPAS

Após a seleção, os participantes farão um matchmaking onde serão formados 10 grupos de trabalho. As indústrias escolherão até quatro startups cada, de acordo com suas demandas, e as instituições de apoio de negócios indicarão as startups que têm interesse de se conectar.

Já a terceira etapa, consistirá em uma prova de conceito em que 40 startups receberão até R$ 200 mil cada. E, posteriormente, as startups apresentarão suas soluções para as indústrias participantes do programa, que escolherão 10 startups que receberão até R$500 mil para o desenvolvimento conjunto de um projeto piloto.

Por fim, a experiência da conexão será compilada e compartilhada com a indústria nacional.

Clique AQUI e acesse o edital.
Clique AQUI e faça sua inscrição.
Atenciosamente,
Equipe Anprotec

rodapmail1

Se você não deseja mais receber nossos e-mails, cancele sua inscrição neste link

Ex-aluna de Computação do Univem assume cargo no Ministério da Saúde

A ex-aluna do curso de Bacharelado em Ciência da Computação do Univem e atualmente professora do Instituto de Informática da Universidade Federal de Goiás (UFG), Juliana Souza-Zinader, foi empossada, nesta segunda-feira (13/3), como coordenadora-geral de monitoramento e avaliação do Departamento de Monitoramento e Avaliação do SUS (DEMAS), da Secretaria-Executiva do Ministério da Saúde. A nomeação foi um convite do Ministro da Saúde, Ricardo Barros, em reconhecimento a formação e contribuição da profissional na área de Informática em Saúde alinhada ao projeto prioritário de informatização dessa gestão, em especial as estratégias de e-saúde.

A indicação se deu após o XV Congresso Brasileiro de Informática em Saúde, realizado pela Sociedade Brasileira de Informática em Saúde (SBIS) e promovido pela Universidade, em novembro do ano passado, do qual a docente foi presidente. O evento teve como tema “A informática transformando a saúde” e, além do ministro, a abertura oficial teve a participação do reitor da UFG, professor Orlando Afonso Valle do Amaral, entre outras autoridades representativas do governo, sociedade e academia.



Juliana é ex-aluna do curso de Ciência da Computação do Univem


Juliana tem doutorado em Bioengenharia, no qual desenvolveu a sua tese e um pós-doutoramento no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP de Ribeirão Preto/SP. Ela acredita que os seis anos vivenciando a prática clínica foram fundamentais para a sua formação e desdobramentos na área. Na UFG, é membro da Comissão de Governança da Informação em Saúde e atua também como diretora de educação da Sociedade Brasileira de Informática em Saúde.

Mulheres formadas no Univem fazem sucesso no mercado de TI

Sabe os aplicativos instalados no seu celular ou os programas de computador que você usa no seu dia a dia? No cenário nacional e internacional, eles provavelmente foram desenvolvidos por equipes majoritariamente masculinas. No Brasil, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio, apenas 20% dos profissionais que atuam no mercado de Tecnologia da Informação (TI) são mulheres. Em Marília essa realidade está sendo alterada. Mulheres formadas pelos cursos de Ciência da Computação e Sistemas de Informação do Centro Universitário Eurípides de Marília (Univem) têm mostrado resultados importantes como profissionais de TI.

Segundo o Prof. Dr. Elvis Fusco, coordenador dos cursos de Ciência da Computação e Sistemas de Informação, o Univem forma, há quase 20 anos, mulheres que atuam como profissionais de destaque nas principais empresas da região. Muitas são empresárias na área de TI e outras se tornaram pesquisadoras e docentes em importantes instituições de ensino. “O Univem tem uma tradição na formação de mulheres para o mercado de TI, atualmente elas são 30% do corpo docente dos cursos de Ciência da Computação e Sistemas de Informação”, destaca Elvis.

O Prof. Dr. Fábio Dacêncio Pereira, coordenador de Pesquisa e Extensão do Univem, enfatiza que muitas delas ocupam espaços nobres na área e também possuem formação diferenciada que inclui mestrado, doutorado e pós-doutorado. “Atualmente ex-alunas formadas no Univem ocupam importantes posições nos mercados acadêmico, profissional e empreendedor”, conclui o professor.

Formada em Ciência da Computação do Univem, Merley Conrado atualmente mora nos EUA e trabalha em uma das maiores empresas de tecnologia no mundo, a Intel. Merley é mestre e doutora pela Universidade de São Paulo. Especialista em aprendizado de máquina e inteligência artificial, ela ocupa um cargo importante para os planos futuros da Intel.

Juliana Pereira de Souza Zinader, formada em Ciência da Computação pelo Univem, é doutora em Ciências/Bioengenharia com Pós-doutoramento em Neuroimagem pela Universidade de São Paulo (USP). Atualmente é professora da Universidade Federal de Goiás e auditora sênior do Processo de Certificação de Sistemas Registro Eletrônico em Saúde (S-RES) da Sociedade Brasileira de Informática em Saúde (SBIS), onde também atua como diretora de educação.

No empreendedorismo, destaca-se Giulianna Marega Marques. Possui graduação em Ciência da Computação pelo Univem,  instituição na qual atua como professora dos cursos de Ciência da Computação e Sistemas de Informação. Giuliana é fundadora e CEO da empresa PERSYS Projetos de Inovação Tecnológica, empresa bem sucedida na área que emprega muitos alunos de Ciência da Computação e Sistemas de Informação do Univem.

Essas profissionais representam as mulheres que o Univem formou nos últimos anos e inspiram a nova geração. Para Bárbara Caroline Rosa de Almeida, aluna ingressante no curso de Ciência da Computação do Univem, a Tecnologia sempre foi sua paixão.  “Logo no início do curso aprendi que agora ser o melhor não é mais o suficiente, porque todos estão empenhados em ser o melhor! O segredo está em ser único e diferente. E foi ali que tive a certeza de ter feito a escolha certa. Entrei no curso de Ciência da Computação do Univem para ganhar o meu espaço e fazer a diferença”, comenta Bárbara.


Andressa da Silva Cabrini, Mônica Gregório Colomera, Bárbara Caroline Rosa de Almeida e Jéssica Vicentini (alunas de Ciência da Computação)


Bárbara enfatiza que nos primeiros dois meses de graduação, a instituição, o curso, os docentes e coordenadores já surpreendem com novas oportunidades e conhecimentos. “Estou feliz e realizada por fazer parte da família Univem, só tenho a agradecer a todos por estar me proporcionando à realização desse sonho.”, comemora Bárbara.

Mônica, também aluna de Ciência da Computação, destaca que logo nas primeiras semanas de curso já se sentiu bem recebida e extremamente confortável e está mergulhada nos livros e softwares e explorando o máximo de cada professor e disciplinas.

A Profa. Dra. Raquel Cristina Ferraroni Sanches, pró-reitora de graduação do Univem, comemora a grande procura de mulheres pelos cursos de TI da instituição. “Ao contrário da média nacional, os cursos de Ciência da Computação e Sistemas de Informaçãodo Univem têm atraído um número expressivo de mulheres, fruto do sucesso de nossas ex-alunas no mercado de tecnologia que inspira as novas gerações”, destaca a pró-reitora do Univem.

Alunos da Computação do Univem destacam-se como Bolsistas Fapesp

O aluno do curso de Bacharelado em Ciência da Computação do Univem, Thiago Aparecido Gonçalves da Costa é mais um aluno contemplado com a bolsa de pesquisa mais concorrida no universo acadêmico, a bolsa Fapesp. A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo é uma das principais agências de fomento à pesquisa científica e tecnológica do país. Com autonomia garantida por lei, a Fapesp está ligada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado de São Paulo e apoia projetos de pesquisa em universidades e empresas do Estado.

Segundo o Prof. Dr. Fábio Dacêncio Pereira, coordenador de pesquisa e extensão do Univem, as bolsas Fapesp são disputadas por alunos de todo Estado de São Paulo, incluindo instituições públicas como Usp, Unesp, Unicamp e Universidades Federais. O processo seletivo é muito rigoroso e os projetos são avaliados com base na sua originalidade e relevância científica. O aluno deve ter um notório histórico acadêmico, que inclui a participação em eventos e publicações.

A pesquisa do aluno Thiago faz parte de um projeto de pesquisa desenvolvido no Grupo de Pesquisa Inovação em Tecnologias Informacionais Computacionais vinculado ao Computing and Information Systems Research Lab – COMPSI, laboratório de pesquisa em Computação e Sistemas de Informação, que congrega várias atividades ligadas à prática docente e discente dos cursos de Bacharelado em Ciência da Computação e Sistemas de Informação do Centro Universitário Eurípides de Marília. Este projeto tem a Universidade de São Paulo (Usp) e a Universidade Federal do Sergipe (UFS) onde os professores doutores Elvis Fusco e Fábio Dacêncio Pereira desenvolvem seus pós-doutorados.

     Alunos bolsistas Valdir, Fernanda, Monique, Thiago e Jordan.

A trajetória do aluno e o projeto

No terceiro ano do Ensino Médio em 2013, Thiago participou da 1ª Olimpíada de Programação para Alunos do Ensino Médio oferecida pelo Univem, no qual foi um dos vencedores da competição. Consequentemente, devido a esta conquista, despertou interesse por programação e começou a cursar Ciência da Computação no Univem.

No primeiro ano participou de um programa de estágio de 3 meses oferecido pela instituição em parceria com a Boa Vista Serviços destinado aos finalistas da Olimpíada do Ensino Médio.

Posteriormente, estagiou como tutor presencial do Núcleo de Educação à Distância do Univem e foi bolsista de iniciação científica financiada pelo CNPq, durante 3 anos e agora iniciará sua pesquisa fomentada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

Seu projeto intitulado “Arquitetura de Apoio a Processos de Inovação Baseada em Estruturas Informacionais Semânticas” possui o objetivo de estabelecer um mecanismo computacional de extração de dados de fontes informacionais produzidos pelos atores de inovação (governo, estado e universidades) em um espaço informacional delimitado a Parques Tecnológicos e Centros de Inovação Tecnológica credenciados ao Sistema Paulista de Ambientes de Inovação (SPAI), no qual estes mecanismos serão capazes de se adaptar a mudanças de contexto e consequentemente proporcionar uma extração semântica de informação que será a base da plataforma de apoio aos ambientes de inovação consolidados.

Outros alunos bolsistas FAPESP da Computação do UNIVEM

Atualmente os alunos Valdir Amâncio Pereira Jr. e Fernanda  Mayumi Onuma Tachibana também são bolsista Fapesp. Estes alunos já participaram e publicaram em eventos internacionais em países como EUA e Argentina e também tiveram seus trabalhos de pesquisa publicados nos melhores eventos nacionais na área de computação.

Fernanda, destaca que seu projeto de pesquisa intitulado como “Análise de Metodologias de Implementação e Desempenho em FPGA dos Algoritmos Criptográficos Leves Simon, Speck e Simeck”, trata-se de uma análise sobre mecanismos tecnológicos da área de segurança da informação, que garantem a proteção de informações contidas em dispositivos que possuem recursos limitados como smartphones e dispositivos que compõe a Internet das Coisas.

O projeto iniciou-se no primeiro semestre do ano de 2016, desenvolvendo uma forma de assegurar a proteção de dispositivos limitados, onde estes muitas vezes armazenam e transmitem informações pessoais.

No decorrer da pesquisa, foram implementados três algoritmos criptográficos, chamado cifra de bloco leve, estes específicos para os cenários onde os recursos são limitados em relação ao processamento e a bateria. Isto feito, foram analisadas e propostas novas arquiteturas que podem aumentar o desempenho destes algoritmos quando implementadas em dispositivos limitados. Esta área da segurança da informação está em constante desenvolvimento pela necessidade de proteção deste tipo de dispositivo que gradualmente está ganhando visibilidade.

Valdir comenta que seu projeto de pesquisa intitulado “Desenvolvimento de soluções para a melhoria da consciência situacional em ambientes de gerenciamento de emergências”, apresenta um conjunto de métodos e ferramentas que juntas compõem uma solução para melhorar sistemas de monitoramento e mapeamento de emergências, tais como os adotados pelas forças de segurança (ex: polícia, bombeiros, etc).

O projeto demonstra como melhorar a inteligência destes sistemas, de forma que tarefas de localização de pessoas e objetos de interesse e a logística dos recursos para busca e apreensão sejam realizadas com maior eficácia e eficiência, como, por exemplo, para obter melhores dados sobre um determinado crime e proporcionar um melhor atendimento à ocorrência.

Os professores orientadores Prof. Dr. Fábio Dacêncio Pereira, Prof. Dr. Elvis Fusco e Prof. Dr. Leonardo Castro Botega destacam que esses alunos serão futuros candidatos a ingressar nos melhores programas de mestrado do país, como já é tradição dos cursos de Bacharelado em Ciência da Computação e Bacharelado em Sistemas de Informação do Univem.

Além dos bolsistas Fapesp os cursos contam com bolsistas CNPq que atuam no laboratório de pesquisa do COMPSI. O CNPq do Governo Federal concede bolsas para a formação de recursos humanos no campo da pesquisa científica e tecnológica, em universidades, institutos de pesquisa, centros tecnológicos e de formação profissional, tanto no Brasil como no exterior. Neste contexto, destacam-se os bolsistas Jordan Ferreira Saran e Monique Elen Fernandes Altero.

O Prof. Dr. Elvis Fusco, coordenador dos cursos na área de TI do Univem, destaca que estes alunos competem com os melhores alunos de universidade públicas de renome em eventos e prêmios. Elvis comenta que o aluno Thiago Aparecido Gonçalves da Costa, que acaba de conquistar uma bolsa Fapesp também conquistou uma bolsa do Santander Universidade e passará um período de intercâmbio na Europa para aprimorar sua pesquisa, conhecimento e experiência.

O Prof. Dr. Leonardo Botega aproveita para convidar toda comunidade para o FLISOL 2017 – Festival Latinoamericano de Instalação de Software Livre, maior evento de divulgação de Software Livre da América Latina. O evento acontece desde 2005 em diversas sedes nacionais e internacionais, e seu principal objetivo é promover o uso de software livre, apresentando seu ideal, seu alcance, avanços e desenvolvimento ao público em geral.

FLISOL 2017, 08 de abril no Univem. Inscrições em breve pelo site: www.compsi.univem.edu.br

Aluna de Ciência da Computação do Univem apresenta pesquisa em Bariloche

Fernanda Mayumi Ohnuma Tachibana, aluna do curso de Bacharelado em Ciência da Computação do Univem apresentou seu trabalho de pesquisa apoiado pela FAPESP na 23° edição do IBERCHIP, workshop que oferece um fórum anual para pesquisadores acadêmicos e industriais de países ibero-americanos, onde há trocas de experiências e compartilhamento de conhecimentos, estabelecendo relações para fomentar o desenvolvimento de atividades relacionadas ao campo da microeletrônica e computação.

O evento aconteceu na Argentina, na cidade de Bariloche e contou com a publicação e apresentação da aluna Fernanda Mayumi Ohnuma Tachibana, sob a orientação do Prof. Dr. Fábio Dacêncio Pereira.

fernanda

O trabalho titulado como “Análise de Metodologias de Implementação e Desempenho em FPGA dos Algoritmos Criptográficos Leves Simon, Speck e Simeck”, trata-se de uma análise sobre mecanismos tecnológicos da área de segurança da informação, que garantem a proteção de informações contidas em dispositivos que possuem recursos limitados como smartphones e dispositivos que compõe a Internet das Coisas.

O projeto iniciou-se no primeiro semestre do ano de 2016, desenvolvendo uma forma de assegurar a proteção de dispositivos limitados, onde estes muitas vezes armazenam e transmitem informações pessoais. No decorrer da pesquisa, foram implementados três algoritmos criptográficos, chamado cifra de bloco leve, estes específicos para os cenários onde os recursos são limitados em relação ao processamento e a bateria. Isto feito, foram analisadas e propostas novas arquiteturas que podem aumentar o desempenho destes algoritmos quando implementadas em dispositivos limitados. Esta área da segurança da informação está em constante desenvolvimento pela necessidade de proteção deste tipo de dispositivo que gradualmente está ganhando visibilidade.

Fernanda, diz que pretende ingressar em um programa de mestrado em Engenharia Elétrica, dando continuidade à pesquisa acadêmica. A aluna desenvolve pesquisa científica desde o primeiro ano da graduação, onde os dois primeiros anos foi bolsista CNPq. O CNPq concede bolsas para a formação de recursos humanos no campo da pesquisa científica e tecnológica, em universidades, institutos de pesquisa, centros tecnológicos e de formação profissional, tanto no Brasil como no exterior.

Atualmente a aluna recebe apoio com uma bolsa de iniciação científica da Fapesp com o projeto na área de segurança da informação. A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo é uma das principais agências de fomento à pesquisa científica e tecnológica do país. Com autonomia garantida por lei, a FAPESP está ligada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação.

Univem abre inscrição para turma de Inclusão Digital para a Terceira Idade

O Univem, por meio dos cursos de Ciência da Computação e Sistemas de Informação está com inscrições abertas para o curso de Inclusão Digital para a Terceira Idade. As inscrições podem ser feitas pelo telefone 2105-0800, ramal: 372 no Núcleo de Atividades Complementares do UNIVEM.

Com aulas semanais no período da tarde das 18h00 às 19h00, o início está previsto para o dia 08 de março. O curso tem 40 vagas, gratuito e termina em junho.

O projeto de Inclusão Digital do Univem completou treze anos em 2016 e, desde o início, atende além da terceira idade, crianças e jovens alunos da Apae. Além dos primeiros contatos com a informática, para a maioria deles, o projeto tem o objetivo de estimular o aprendizado e promover a socialização dos alunos. As aulas são semanais e acontecem nos laboratórios do Univem, com o acompanhamento de monitores que são alunos da graduação dos cursos de Ciência da Computação e Sistemas de Informação, coordenados pela professora Renata Paschoal.

Inclusão_Digital_Terceira_Idade_Univem

                     Dirigentes do Univem entregam certificados para concluintes da turma de 2016.

 Uma pesquisa do IBGE comprova que, ao contrário do que se imagina, os idosos usam cada vez mais a internet. Em cinco anos, o número de pessoas acima de 60 anos que acessam a rede mais que dobrou: eram 5,7% em 2008, superados pelos 12,6% em 2013. Outra pesquisa de 2015, realizada pela AVG Technologies em diversos países, incluindo o Brasil, descobriu que o celular é o dispositivo mais utilizado entre os idosos, abrangendo 86% dos entrevistados. 76% deles utilizam o Facebook e apenas 9% não usam nenhum serviço de comunicação.

Segundo a Profa. Renata, este projeto já recebeu inúmeras menções honrosas como a edição nacional do Prêmio Cidadania Sem Fronteiras oferecido pelo Instituto Cidadania Brasil (www.institutocidadania.org.br), em parceria com a Secretaria de Ciência e Tecnologia para Inclusão Social do Ministério da Ciência e Tecnologia. O projeto também foi premiado durante a Cerimônia de Entrega do “Prêmio  Ações Inclusivas para Pessoas com Deficiência“, uma iniciativa da Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência do Governo do Estado de São Paulo.

Divulgada a data de realização do POSCOMP 2017

poscomp2017

O Exame Nacional para Ingresso na Pós-Graduação em Computação (POSCOMP) é um exame aplicado em todas as regiões do País. Em parceria com a Sociedade Peruana de Computação, desde 2006 o Exame passou a ser realizado no Peru. O POSCOMP testa conhecimentos na área de Computação e tem como objetivo específico avaliar os conhecimentos de candidatos a Programas de Pós-Graduação em Computação oferecidos no Brasil. A grande maioria dos Programas de Pós-Graduação no País utiliza, de alguma forma, o resultado do POSCOMP em seu processo seletivo.

O POSCOMP foi concebido para permitir que os candidatos a cursar Programas de Pós-Graduação em Computação possam participar dos processos seletivos em vários Programas no País, sem a necessidade de deslocamento para a sede de cada um dos Programas postulados pelo candidato, cumprindo assim um forte papel de inclusão social.

O candidato realiza a prova no local mais próximo de onde mora e o resultado de seu exame é enviado para todos Programas que participam do POSCOMP, podendo assim o candidato pleitear vaga em qualquer um dos programas de pós-graduação que participam do POSCOMP.

Os candidatos que realizam o Exame têm acesso ao seu resultado, individualmente, bem como a indicação das questões certas e erradas, a média e o desvio padrão.

O período de inscrições para o POSCOMP 2017 pela internet, através do site http://www.fundatec.org.br é de 13/06 a 15/08/2017 e a prova ocorrerá em 17/09/2017. O edital será divulgado no site da SBC e também no da Fundatec.

Fonte: http://www.sbc.org.br/noticias/1938-divulgada-a-data-de-realizacao-do-poscomp-2017

Chamada de submissão de trabalhos para o V Workshop de Comunicação em Sistemas Embarcados Críticos (WoCCES) – SBRC 2017

cfp-wocces-2017-portugues-1
Este workshop se concentra em importantes inovações e avanços recentes na especificação, projeto, construção e utilização da comunicação em sistemas embarcados críticos, sendo que o objetivo do mesmo é o de reunir pesquisadores e profissionais da indústria e da academia e proporcionar-lhes uma oportunidade para se informar sobre os últimos desenvolvimentos, implantações, tendências tecnológicas e resultados de pesquisa, bem como iniciativas relacionadas com sistemas embarcados e suas aplicações em uma variedade de ambientes industriais.

TÓPICOS DE INTERESSE

Para a quarta edição do WoCCES, autores são convidados a submeter trabalhos originais. Autores que possuam trabalhos com resultados preliminares ou trabalhos em andamento também são encorajados a submeter artigos. A lista não exaustiva de tópicos de interesse é:
  • Algoritmos Distribuídos;
  • Arquiteturas de Software e Hardware;
  • Integração de Clusters de Alta Disponibilidade e Grades com Sistemas Embarcados;
  • Acesso ao meio (MAC), antenas direcionais e rádios cognitivos;
  • Comunicação em Grupo;
  • Computação Móvel e Embarcada;
  • Middleware e Serviços Web;
  • Interação entre sensores e Robôs Móveis;
  • GPU;
  • FPGA;
  • Fly by Wireless;
  • Redes P2P, Móveis e Ad-Hoc;
  • Segurança Crítica (Safety) e Certificação;
  • Segurança (Security);
  • Redes de Sensores e Veiculares;
  • Unmanned systems (UAVs, UGVs).

FORMATO DE WORKSHOP

O WoCCES incluirá a apresentação dos artigos aceitos completos para publicação.

INSTRUÇÕES PARA AUTORES

Os artigos devem ser redigidos em língua portuguesa ou inglesa, de acordo com as seguintes categorias.
Artigos regulares com apresentação de contribuições originais, até 10 páginas;
Relatos com experiências práticas, descrição de ferramentas ou estudos de caso de pesquisas originais, até 10 páginas;
Todos os artigos aceitos e revisados, de acordo com as recomendações do comitê de programa do WoCCES, serão publicados no volume de Workshop nos Anais do SBRC.
O trabalho deve ser apresentado de acordo com o formato para publicação de artigos indicados pela Sociedade Brasileira de Computação (SBC), cujos modelos estão disponíveis em: http://www.sbc.org.br/documentos-da-sbc/summary/169-templates-para-artigos-e-capitulos-de-livros/878-modelosparapublicaodeartigos Evite imagens não vetorizadas ou muito pequenas.
As submissões eletrônicas serão feitas por meio do sistema JEMS (https://submissoes.sbc.org.br/). O formato eletrônico para o envio precisa ser PDF.
Importante: Ao menos um dos autores dos artigos selecionados precisará se registrar para participação no SBRC  2017, para apresentação no WoCCES.

DATAS IMPORTANTES

Submissão de artigos (completos): 27 de Março de 2017
Notificação dos artigos aceitos: 17 de Abril de 2017
Submissão da versão final revisada: 24 de Abril de 2017

COMITÊ DE ORGANIZAÇÃO DO WOCCES

Adriano Mauro Cansian – IBILCE – UNESP Rio Preto
Alex Sandro Roschildt Pinto – UFSC – Blumenau
Daniel Fernando Pigatto – ICMC – USP
Kalinka Regina Lucas Jaquie Castelo Branco – ICMC – USP
Vandermi João da Silva – UFAM

COMITÊ DE PROGRAMA DO WOCCES

Adriano Mauro Cansian – IBILCE – UNESP São José do Rio Preto
Alex Sandro Roschildt Pinto – Universidade Federal de Santa Catarina – Blumenau
Carlos Barros Montez – Universidade Federal de Santa Catarina
Célia Leiko Ogawa Kawabata – IFSP – Instituto Federal de São Paulo – Campus São Carlos
Daniel Fernando Pigatto – ICMC-USP
Edson dos Santos Moreira – ICMC-USP
Ellen Francine Barbosa – ICMC-USP
Fábio Dacêncio Pereira – UNIVEM
Fernando Santos Osório – ICMC-USP
Gustavo Pessin – Vale
Horácio Antonio Fernandes de Oliveira – Universidade Federal do Amazonas
Ivanovitch Medeiros Dantas da Silva – IMD – Instituto Metropole Digital
Jacir Luiz Bordim – Universidade de Brasília
João Cunha – Instituto Politécnico de Coimbra
Kalinka Regina Lucas Jaquie Castelo Branco – ICMC-USP
Luciana Martimiano – Universidade Estadual de Maringá
Luiz Henrique Castelo Branco – IFSP – Instituto Federal de São Paulo – Campus Araraquara
Marco Vieira – Universidade de Coimbra
Marcos Fagundes Caetano – Universidade de Brasília
Mario Antonio Ribeiro Dantas – Universidade Federal de Santa Catarina
Mário Meireles Teixeira – Universidade Federal do Maranhão
Paulo Portugal – Universidade do Porto
Raimundo Barreto – Universidade Federal do Amazonas
Vandermi João da Silva – Universidade Federal do Amazonas

CONTATO

Kalinka Regina Lucas Jaquie Castelo Branco – kalinka@icmc.usp.br
Mais informações: www.lsec.icmc.usp.br/wocces

Univem lança nova edição de sua Revista Internacional de Computação e Informática

cover_issue_45_en_us

A Revista Científica Journal on Advances in Theoretical and Applied Informatics – JADI, produzida pelo COMPSI (Computing and Information Systems Research Lab), laboratório e centro de pesquisa vinculado aos cursos de Ciência da Computação e Sistemas de Informação do Univem, acaba de lançar sua terceira edição (Volume 2 Número 2).

A Revista JADI é uma publicação científica internacional periódica, com o objetivo de contribuir com o avanço de áreas correlatas à Computação e Informática em geral, promovendo a disseminação de informações técnico-científicas produzidas por pesquisadores e profissionais de grandes centros nacionais e internacionais.

Segundo o Prof. Dr. Leonardo Castro Botega, editor da JADI, o periódico objetiva se manter como uma publicação internacional de alta qualidade, visibilidade e abrangência, apresentando artigos científicos que representam o estado da arte em aspectos práticos e teóricos de temas relevantes e atuais em Tecnologia da Informação, Gestão, Ciência da Computação, Sistemas de Informação e Ciência da Informação.

Botega explica que “o terceiro número do JADI é uma edição especial dedicada a trabalhos sobre a Gestão da Informação Digital incluindo: métodos para processamento de Big Data, visualização analítica da informação, modelagem de dados em organizações, integração de múltiplos dados heterogêneos para a tomada de decisão, interação afetiva com a informação e redes neurais artificiais para a geração e manutenção de bases de conhecimento. Neste terceiro número, a instituição está orgulhosa em apresentar trabalhos de renomados pesquisadores e profissionais de grandes centros de pesquisa internacionais, tais como Atilim University (Turquia), Polytechnic University of San Luis Potosí (México), University of Castilla-La Mancha (Espanha), Università Degli Studi di Salerno (Itália), Florida International University (EUA), City University of New York (EUA), Université de Lyon (França), Universidade de São Paulo (USP) e Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR)”.

O professor Dr. Elvis Fusco, coordenador dos cursos de Ciência da Computação e Sistemas de Informação do Univem, ressalta que a revista JADI tem apresentado resultados de pesquisas que congregam temas ligados a tecnologias computacionais com o objetivo de dar conta dos desafios dos novos ambientes informacionais digitais que caracterizam-se pela indissociabilidade entre a Computação e a Informação num cenário de explosão informacional.

O Prof. Dr. Fábio Dacêncio Pereira, coordenador de pesquisa e extensão do Univem acredita que estes artigos demonstram a alta qualidade, excelência e relevância que esperamos de um journal. Nosso objetivo é que o JADI emerja como um fórum dinâmico e ativo para a disseminação de ideias inovadoras que contribua para o desenvolvimento das áreas da Computação e Informática.

A revista tem sua periodicidade semestral e os artigos desse novo número podem ser obtidos no website da revista: http://www.univem.edu.br/jadi.