Representantes de Presidente Prudente visitam o CITec-Marília e CIEM

Representantes da Prefeitura e da Incubadora de Empresas de Presidente Prudente estiveram nesta quarta (29/03) visitando as instalações do Centro de Inovação Tecnológica de Marília (CITec-Marília) e do Centro Incubador de Empresas de Marília (CIEM) localizados no campus do Centro Universitário Eurípides de Marília (Univem).

Na comitiva estavam presentes o Secretário Municipal de Desenvolvimento Econômico, Carlos Casagrande, o Presidente da Fundação Municipal Educacional, José Wilmar Ferreira Lima, o Secretário Municipal de Tecnologia da Informação, Rogério Marcus Alessi e o Gerente da Incubadora Tecnológica de Presidente Prudente, Luís Horácio Ramos Isique. Eles foram recebidos pelo Prof. Dr. Elvis Fusco, coordenador do CITec-Marília/CIEM e pelo Prof. Dr. Fábio Dacêncio Pereira, gestor do CITec-Marília/CIEM.

Carlos Casagrande (Secretário de Desenvolvimento Econômico), José Ferreira Lima (Presidente da Fundação Educacional), Rogério Alessi (Secretário de Tecnologia da Informação), Luís Ramos Isique (Gerente da Incubadora de P. Prudente), Prof. Dr. Elvis Fusco (CITec-Marília) e Prof. Dr. Fábio Dacêncio (CITec-Marília)

O objetivo da visita foi conhecer toda infraestrutura, serviços e governança dos ambientes de inovação de Marília (CITec-Marília e CIEM). Segundo Rogério Alessi, os ambientes de inovação de Marília são indicados pelo Governo de São Paulo como referência para outras cidades. “Em recente visita à Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado de São Paulo para obter informações sobre o processo de credenciamento do futuro Centro de Inovação de Presidente Prudente, a estrutura de governança do CITec-Marília e do CIEM foi indicado como modelo a ser adotado por outras cidades que desejam implantar esses ambientes.”, destacou o secretário municipal de Presidente Prudente.

Durante a visita, os visitantes puderam conhecer a estrutura de pré-incubação, incubação e pós-incubação do CIEM e o local que receberá o Espaço de Coworking a ser inaugurado brevemente. Além desses espaços, eles visitaram a sede da Asserti (Associação de Empresas de Serviços de Tecnologia da Informação) e os serviços oferecidos pelo APL TI Marília que tem a Asserti como entidade gestora.

Luis Ramos Isique, elogiou a integração entre os ambientes de inovação e empreendedorismo, as empresas de TI e o Univem. “Esse processo de benchimarking que realizamos hoje nos ambientes de inovação de Marília nos mostrou um modelo de sucesso na parceria entre o setor produtivo, a universidade e o poder público no desenvolvimento e fortalecimento da região que servirá de inspiração para o ecossistema de inovação de Presidente de Prudente.”, explicou o coordenador da Incubadora de Presidente Prudente.

Os professores do Univem, Elvis Fusco e Fábio Dacêncio apresentaram aos representantes de Presidente Prudente, o histórico do CIEM e do CITec-Marília e os serviços de apoio ao empreendedorismo e à inovação gerados nestes ambientes. “Neste ano, já recebemos visita de representantes de outras cidades como Bauru, Ourinhos, Assis e Araçatuba, que nos procuram por encontrar em Marília um modelo de sucesso na geração de emprego e sustentabilidade com o investimento nos ambientes de tecnologia, inovação e empreendedorismo”, finalizou  Fusco.

Mais informações sobre os ambientes de inovação de Marília podem ser obtidas pelo site www.inovamarilia.org.br

Encontro discute projetos para desenvolvimento de Marília

Na pauta, o Parque Tecnológico de Marília

Representantes do Univem estiveram presentes ontem (23/03) no gabinete do Prefeito Daniel Alonso para receber o deputado federal Walter Ihoshi para encontro com as principais entidades produtivas da cidade.

Na pauta, projetos de incentivo ao crescimento e desenvolvimento de Marília com o apoio da atuação do Deputado Ihoshi em Brasília.

No encontro estiveram presentes além do Prefeito Daniel e o Deputado Ihoshi, o vice-prefeito Tato, o vereador Marcos Resende, o Reitor do Univem, Dr. Luiz Carlos de Macedo Soares, o Presidente da Asserti, Prof. Dr. Elvis Fusco, o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Turismo, Cássio Luiz Pinto Júnior, o presidente da ACIM, Libânio Victor Nunes de Oliveira, entre outros representantes de diversas entidades produtivas da cidade.

Além de vários assuntos discutidos para o desenvolvimento local, discutiu-se sobre os ambientes locais de inovação da cidade de Marília mantidos pelo Univem, como o Centro de Inovação Tecnológica (CITec-Marília) e o Centro Incubador de Empresas de Marília (CIEM), que fazem parte do Sistema Paulista de Ambientes de Inovação do Estado de São Paulo (SPAI). O Prefeito Daniel Alonso reafirmou seu compromisso na continuidade do projeto do Parque Tecnológico de Marília que deve ter seu credenciamento provisório ainda neste ano, os projetos para essa conquista estão sendo elaborados pelo Univem e Asserti, em parceria com a secretaria de desenvolvimento.

O deputado Walter Ihoshi reforçou seu apoio a esses ambientes citando como, por exemplo, recente visita agendada por ele ao Ministro de Ciência, Tecnologia, Inovações e Telecomunicações (MCTIC), Gilberto Kassab que recebeu representantes do Univem para apresentação do projeto do futuro Espaço de Coworking que será criado no CITec-Marília com a participação do MCTIC.

Empresas e startups terão R$ 53,6 milhões do Senai, do Sebrae e do Sesi para investir em inovação

Novo Edital de Inovação para a Indústria recebe inscrições a partir desta semana. Indústrias podem receber fomento de até R$ 400 mil por projeto

Projetos inovadores terão incentivo de mais de R$ 53,6 milhões neste ano para serem desenvolvidos e chegarem ao mercado. A partir desta segunda-feira (20), o novo Edital de Inovação para a Indústria, antes conhecido como Edital Senai Sesi de Inovação, começa a receber inscrições de empresas de todos os portes e startups interessadas em financiar ideias de produtos e processos inovadores. O lançamento da iniciativa foi feito pelo presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, e pelo presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos, na sexta-feira (17), durante reunião da Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI), grupo coordenado pela CNI que reúne executivos das 200 maiores empresas brasileiras.

Criado em 2004, o Edital Senai Sesi de Inovação mudou de nome este ano com a parceria do Sebrae, o que vai permitir atender uma fatia ainda maior das demandas da indústria por ideias inovadoras. Duas novas categorias foram criadas: Inovação Tecnológica para Micro e Pequenas Empresas Industriais, MEI e Startups e Empreendedorismo Industrial. O objetivo é incentivar a conexão entre grandes empresas e startups de base tecnológica e o investimento em inovação nos micro e pequenos negócios.

Destinado a promover a cultura de inovação e aumentar a produtividade das indústrias, o Edital conta com investimento de R$ 30 milhões do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), R$ 20 milhões do Sebrae e R$ 3,6 milhões do Serviço Social da Indústria (Sesi). Neste ano, a meta é financiar 285 projetos com custo individual de R$ 75 mil a R$ 400 mil.

“Investir em inovação é um caminho para a indústria se tornar mais competitiva e sair fortalecida deste momento de dificuldades econômicas. Com novos parceiros e maior volume de recursos, o novo Edital de Inovação da Indústria será instrumento decisivo no fomento à inovação no Brasil”, afirma o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade. “O estímulo à conexão entre grandes indústrias e criativos empreendedores de startups também é iniciativa que vai oxigenar o ambiente de negócios brasileiro. Ganham as empresas já estabelecidas, que aprendem a inovar não apenas em tecnologia como em modelos de negócios, e ganham as startups, que se inserem em cadeias produtivas que podem determinar seu sucesso”, completa.

A expectativa é beneficiar, já em 2017, projetos de inovação oriundos de 150 a 200 pequenos negócios. Segundo o presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos, a iniciativa tem o objetivo de estimular as pequenas indústrias e micro e pequenas empresas de base tecnológica a apresentarem projetos inovadores com aplicação na indústria. “A inovação é fundamental para o desenvolvimento dos pequenos negócios, que hoje representam um universo de 98% das empresas brasileiras. A entrada do Sebrae neste Edital vai permitir a integração das MPE à lógica das grandes empresas, gerando oportunidades e novos negócios.  As categorias do edital inovação tecnológica e empreendedorismo digital irão conectar jovens empreendedores a empresas já estabelecidas”, afirma Afif.

Potencial inovador

Os projetos serão selecionados em três ciclos com base em critérios como potencial de inovação e de comercialização do produto ou do processo. Toda e qualquer empresa do setor industrial e startups de base tecnológica podem inscrever propostas no site http://www.editaldeinovacao.com.br nas seguintes categorias:

  1. A) Inovação Tecnológica para Grandes e Médias Empresas: projetos de até R$ 400 mil apresentados por empresas industriais desses portes de todos os segmentos. O objetivo é o desenvolvimento tecnológico para transformar ideias em inovação em fato; validação de conceitos, plantas-piloto, melhorias de desempenho, testes em geral, acreditação, utilização de técnicas para produção em escala etc.
  2. B) Inovação Tecnológica para Micro e Pequenas Empresas Industriais e Startups: projetos de até R$ 400 mil apresentados por empresas industriais desses portes de todos os segmentos. O objetivo é o desenvolvimento tecnológico e demais necessidades para transformar ideias em inovação em fato, colocando os produtos e processos inovadores no mercado. São feitos validação de conceitos, plantas-piloto, melhorias de desempenho, testes em geral, acreditação, utilização de técnicas para produção em escala etc.
  3. C) Empreendedorismo Industrial: instituições âncoras (grandes empresas, investidores e parceiros) apresentam desafios a serem solucionados por interessados (startups de base tecnológica e micro e pequenas empresas). Entre as soluções apresentadas, a instituição âncora escolherá com qual empresa quer trabalhar. Cada projeto recebe investimento de até R$ 400 mil.
  4. D) Inovação em Saúde e Segurança do Trabalho e Promoção da Saúde: desenvolvimento de adaptações ou customizações de novas tecnologias, serviços inovadores, soluções nos processos e produtos aplicados às demandas industriais. Os projetos serão realizados durante 18 meses, com investimento máximo de R$ 150 mil por proposta.
  5. E) Inovação Setorial em Segurança e Saúde no Trabalho e Promoção da Saúde (para indústrias de construção, frigorífico e mineração): desenvolvimento de novas tecnologias, serviços inovadores, soluções nos processos e produtos aplicados às indústrias prioritárias. Inclui temas como higiene ocupacional, ergonomia, gestão de fatores psicossociais, do absenteísmo e retorno ao trabalho, longevidade, métricas para a saúde, entre outros. Os projetos serão realizados durante 18 meses, com investimento máximo de R$ 3 00 mil por proposta.
  6. F) Empreendedorismo Industrial em Segurança e Saúde do Trabalho e Promoção da Saúde: desenvolvimento de aplicativos ou ferramentas tecnológicas de soluções para segurança e saúde do trabalho e promoção da saúde do trabalhador. Os projetos serão realizados durante 12 meses, com investimento máximo de R$ 75 mil por proposta.

Startups tecnológicas

Desde a primeira edição, o Edital de Inovação já mobilizou R$ 380 milhões em aproximadamente 700 projetos inovadores de 600 empresas. Entre os selecionados, 76% foram apresentados por pequenas empresas e startups de base tecnológica.  O edital prevê um bônus de 100 pontos para as seguintes startups inovadoras:

  • Formadas a partir de projetos finalistas do Inova Senai Nacional a partir de 2015;
  • Finalistas da fase 3 do programa Inovativa Brasil do MDIC a partir de 2014;
  • Apoiadas pelo programa Startup Brasil do MCTI a partir de 2016;
  • Finalistas das edições do Lemonade a partir de 2016;
  • Vencedoras do ITA Challenge a partir de 2016;
  • Selecionadas pelo SENAI no Open 100 Startups a partir de 2016;
  • Selecionadas pelo programa Startup Farm a partir de 2016
  • Selecionadas por programas de Aceleração ou Incubação do Sistema Indústria
  • Vencedoras do prêmio de Inovação da AHK
  • Empresas participantes do Programa Agentes Locais de Inovação;
  • Empresas participantes do Programa Encadeamento Produtivo do Sebrae;
  • Empresas atendidas pelo Sebrae na carteira de startups Sebrae Like a Boss;
  • Empresas atendidas pelo Sebrae em Projetos de Alto Impacto ou Scale Up;
  • Empresas finalistas do Programa Inovativa;
  • Empresas instaladas ou graduadas em Parques Tecnológicos, aceleradoras ou incubadoras de empresas.

Em 2016, o Edital recebeu 886 propostas e investiu R$ 23,5 milhões em 73 projetos aprovados nas três seleções. Da lista de projetos aprovados, 33 foram apresentados por startups, 18 por pequenas, 11 por médias e 11 por grandes empresas. A agência de inovação sueca Vinnova, a aceleradora de empresas Techmall S.A e a Fundepar, gestora de um programa de investimentos para firmas emergentes, já apresentaram desafios específicos solucionados por jovens empresas e startups.

Além do fomento, o Senai e o Sesi oferecem apoio na forma de infraestrutura. Uma rede nacional com 25 Institutos de Inovação realiza pesquisa tecnológica e desenvolve novos produtos e soluções diretamente com empresas de todos os portes. O SENAI conta ainda com 57 Institutos de Tecnologia com 1,2 mil especialistas que prestam serviços em áreas como metrologia, testes de qualidade, consultoria em processos produtivos específicos de diferentes setores, entre outros. Parcerias com Institutos de Ciência e Tecnologia, a maioria presentes em universidades públicas, também ajudam a concretizar as ideias selecionadas.

Serviço

Período de submissão das categorias A e B: de 20 de março a 6 de novembro de 2017, empresas interessadas no financiamento podem apresentar propostas.

Anúncio das seleções das categorias A e B: os resultados são apresentados em três datas: 24 de julho e 6 de novembro de 2017 e 19 de fevereiro de 2018

Apresentação de desafios por instituições-âncora na categoria C: de 20 de março de 2017 a 27 de janeiro de 2018 no endereço http://www.editaldeinovacao.com.br. Os selecionados são anunciados ao longo do ano.

Período de submissão das categorias D, E e F: de 20 de março a 23 de agosto de 2017, empresas interessadas no financiamento podem apresentar propostas.

Anúncio das seleções das categorias D, E: os resultados são apresentados em 16 de novembro e 5 de fevereiro de 2017

Anúncio das seleções da categoria F: os resultados são apresentados em 1º de julho e 5 de outubro de 2017

Assessoria de Imprensa Sebrae

Univem promove evento internacional de software livre

No dia 08 de abril, o Univem sediará pela sexta vez o FLISOL – Festival Latino-americano de Instalação de Software Livre, evento internacional realizado simultaneamente em mais de 20 países desde 2005. O objetivo principal é promover a cultura do uso do Software Livre, mostrando ao público em geral a filosofia e a difusão de tecnologias de informação.

O evento é aberto a toda comunidade de Tecnologia da Informação da região e tem como atrações: palestras, minicursos e distribuição de softwares livres. O Flisol em Marília é realizado pelos cursos de Ciência da Computação e Sistemas de Informação do Univem por meio do COMPSI – Computing and Information Systems Resource Lab.

O Flisol é organizado pelos professores e alunos do Univem e é dirigido e aberto a todo tipo de público: estudantes, acadêmicos, empresários, profissionais, entusiastas e qualquer pessoa que tenha interesse, independente de seu conhecimento de Tecnologia da Informação..

No FLISOL, realizado desde 2011 em Marília, você terá a oportunidade de instalar software livre, que é uma alternativa real e segura para outros modelos de software no seu computador, participar de palestra e minicursos, esclarecer suas dúvidas e conhecer algumas das diversas soluções que o Software Livre apresenta para empresas, escolas, governo e até para uso pessoal. Vale lembrar que o evento é totalmente gratuito e livre e as palestras e minicursos serão certificados.

O evento será aberto com a palestra “A revolução da cultura maker e Internet das Coisas”, ministrada pelo profissional do Google, Neto Marin, que abordará a cultura do software livre, o movimento maker no contexto da Internet das Coisas. No período tarde acontecerão minicursos sobre Desenvolvimento WEB com Python e Django, OpenMP, Framework para Software Web, Controle de Versão usando Git, GNU/Linux, Ruby, Arduino e WEKA.

De acordo com o professor e coordenador do evento, Dr. Leonardo Botega, o principal objetivo do festival é apresentar alternativas quanto aos produtos oferecidos no mercado de softwares e propagar o quer chama de “filosofia do software livre”. “O intuito é ampliar a formação do aluno a apresentar novas possibilidades para empresas e profissionais da área com a cultura do software livre”, destacou.

O festival acontece em 60 cidades-sede simultaneamente no decorrer de todo o dia. “Trata-se de uma oportunidade de network. Enquanto o evento acontece aqui em Marília, trocamos informações com outros países e nos informamos do que está acontecendo por lá. Assim, conseguimos alinhar os objetivos do evento como um todo”, explicou Botega.

O coordenador dos cursos de Ciência da Computação e Sistemas de Informação do Univem, Prof. Dr. Elvis Fusco, destaca Marília como forte referência na área de Tecnologia da Informação. “As instituições de ensino têm uma responsabilidade muito grande neste contexto de Marília ser reconhecida como polo regional de TI e o Univem exerce seu papel trazendo para a região eventos de expressividade nacional com apoio do CNPq, da Sociedade Brasileira de Computação e das empresas de TI da região por meio da ASSERTI (Associação das Empresas de Serviços de Tecnologia da Informação)”, explica Fusco.

 

Mais informações e inscrições devem ser feitas pelo site http://www.univem.edu.br/compsi/flisol.

 

 

FLISOL – Festival Latino-americano de Instalação de Software Livre

 

Programa Nacional Conexão Startup Indústria

mail

Prezados associados,

 

É com prazer que anunciamos e incentivamos a participação de todos no Programa Nacional Conexão Startup Indústria, lançado, quinta-feira (16/03), pela Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), em parceria com o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC).

Com o objetivo de promover o ambiente de negócios entre startups e indústrias, atuando com foco em ações de integração digital das diferentes etapas da cadeia de valor dos produtos industriais, o programa oferecerá acesso real ao mercado para as startups, negociação para a venda do piloto para a indústria, e ainda a oportunidade de aporte financeiro de até R$ 700 mil.

Serão selecionadas 100 startups, 10 indústrias e 20 instituições de apoio ao desenvolvimento de negócios. As incubadoras e aceleradoras associados à Anprotec se caracterizam como “instituições de apoio ao desenvolvimento de negócios”.

Podem participar da seleção, startups incubadas e graduadas que tenham competência e interesse em desenvolver soluções para a indústria, com mais de um ano de existência e menos de sete. Os interessados têm até o dia 12 de abril para se inscreverem.

ETAPAS

Após a seleção, os participantes farão um matchmaking onde serão formados 10 grupos de trabalho. As indústrias escolherão até quatro startups cada, de acordo com suas demandas, e as instituições de apoio de negócios indicarão as startups que têm interesse de se conectar.

Já a terceira etapa, consistirá em uma prova de conceito em que 40 startups receberão até R$ 200 mil cada. E, posteriormente, as startups apresentarão suas soluções para as indústrias participantes do programa, que escolherão 10 startups que receberão até R$500 mil para o desenvolvimento conjunto de um projeto piloto.

Por fim, a experiência da conexão será compilada e compartilhada com a indústria nacional.

Clique AQUI e acesse o edital.
Clique AQUI e faça sua inscrição.
Atenciosamente,
Equipe Anprotec

rodapmail1

Se você não deseja mais receber nossos e-mails, cancele sua inscrição neste link

Ex-aluna de Computação do Univem assume cargo no Ministério da Saúde

A ex-aluna do curso de Bacharelado em Ciência da Computação do Univem e atualmente professora do Instituto de Informática da Universidade Federal de Goiás (UFG), Juliana Souza-Zinader, foi empossada, nesta segunda-feira (13/3), como coordenadora-geral de monitoramento e avaliação do Departamento de Monitoramento e Avaliação do SUS (DEMAS), da Secretaria-Executiva do Ministério da Saúde. A nomeação foi um convite do Ministro da Saúde, Ricardo Barros, em reconhecimento a formação e contribuição da profissional na área de Informática em Saúde alinhada ao projeto prioritário de informatização dessa gestão, em especial as estratégias de e-saúde.

A indicação se deu após o XV Congresso Brasileiro de Informática em Saúde, realizado pela Sociedade Brasileira de Informática em Saúde (SBIS) e promovido pela Universidade, em novembro do ano passado, do qual a docente foi presidente. O evento teve como tema “A informática transformando a saúde” e, além do ministro, a abertura oficial teve a participação do reitor da UFG, professor Orlando Afonso Valle do Amaral, entre outras autoridades representativas do governo, sociedade e academia.



Juliana é ex-aluna do curso de Ciência da Computação do Univem


Juliana tem doutorado em Bioengenharia, no qual desenvolveu a sua tese e um pós-doutoramento no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP de Ribeirão Preto/SP. Ela acredita que os seis anos vivenciando a prática clínica foram fundamentais para a sua formação e desdobramentos na área. Na UFG, é membro da Comissão de Governança da Informação em Saúde e atua também como diretora de educação da Sociedade Brasileira de Informática em Saúde.

Mulheres formadas no Univem fazem sucesso no mercado de TI

Sabe os aplicativos instalados no seu celular ou os programas de computador que você usa no seu dia a dia? No cenário nacional e internacional, eles provavelmente foram desenvolvidos por equipes majoritariamente masculinas. No Brasil, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio, apenas 20% dos profissionais que atuam no mercado de Tecnologia da Informação (TI) são mulheres. Em Marília essa realidade está sendo alterada. Mulheres formadas pelos cursos de Ciência da Computação e Sistemas de Informação do Centro Universitário Eurípides de Marília (Univem) têm mostrado resultados importantes como profissionais de TI.

Segundo o Prof. Dr. Elvis Fusco, coordenador dos cursos de Ciência da Computação e Sistemas de Informação, o Univem forma, há quase 20 anos, mulheres que atuam como profissionais de destaque nas principais empresas da região. Muitas são empresárias na área de TI e outras se tornaram pesquisadoras e docentes em importantes instituições de ensino. “O Univem tem uma tradição na formação de mulheres para o mercado de TI, atualmente elas são 30% do corpo docente dos cursos de Ciência da Computação e Sistemas de Informação”, destaca Elvis.

O Prof. Dr. Fábio Dacêncio Pereira, coordenador de Pesquisa e Extensão do Univem, enfatiza que muitas delas ocupam espaços nobres na área e também possuem formação diferenciada que inclui mestrado, doutorado e pós-doutorado. “Atualmente ex-alunas formadas no Univem ocupam importantes posições nos mercados acadêmico, profissional e empreendedor”, conclui o professor.

Formada em Ciência da Computação do Univem, Merley Conrado atualmente mora nos EUA e trabalha em uma das maiores empresas de tecnologia no mundo, a Intel. Merley é mestre e doutora pela Universidade de São Paulo. Especialista em aprendizado de máquina e inteligência artificial, ela ocupa um cargo importante para os planos futuros da Intel.

Juliana Pereira de Souza Zinader, formada em Ciência da Computação pelo Univem, é doutora em Ciências/Bioengenharia com Pós-doutoramento em Neuroimagem pela Universidade de São Paulo (USP). Atualmente é professora da Universidade Federal de Goiás e auditora sênior do Processo de Certificação de Sistemas Registro Eletrônico em Saúde (S-RES) da Sociedade Brasileira de Informática em Saúde (SBIS), onde também atua como diretora de educação.

No empreendedorismo, destaca-se Giulianna Marega Marques. Possui graduação em Ciência da Computação pelo Univem,  instituição na qual atua como professora dos cursos de Ciência da Computação e Sistemas de Informação. Giuliana é fundadora e CEO da empresa PERSYS Projetos de Inovação Tecnológica, empresa bem sucedida na área que emprega muitos alunos de Ciência da Computação e Sistemas de Informação do Univem.

Essas profissionais representam as mulheres que o Univem formou nos últimos anos e inspiram a nova geração. Para Bárbara Caroline Rosa de Almeida, aluna ingressante no curso de Ciência da Computação do Univem, a Tecnologia sempre foi sua paixão.  “Logo no início do curso aprendi que agora ser o melhor não é mais o suficiente, porque todos estão empenhados em ser o melhor! O segredo está em ser único e diferente. E foi ali que tive a certeza de ter feito a escolha certa. Entrei no curso de Ciência da Computação do Univem para ganhar o meu espaço e fazer a diferença”, comenta Bárbara.


Andressa da Silva Cabrini, Mônica Gregório Colomera, Bárbara Caroline Rosa de Almeida e Jéssica Vicentini (alunas de Ciência da Computação)


Bárbara enfatiza que nos primeiros dois meses de graduação, a instituição, o curso, os docentes e coordenadores já surpreendem com novas oportunidades e conhecimentos. “Estou feliz e realizada por fazer parte da família Univem, só tenho a agradecer a todos por estar me proporcionando à realização desse sonho.”, comemora Bárbara.

Mônica, também aluna de Ciência da Computação, destaca que logo nas primeiras semanas de curso já se sentiu bem recebida e extremamente confortável e está mergulhada nos livros e softwares e explorando o máximo de cada professor e disciplinas.

A Profa. Dra. Raquel Cristina Ferraroni Sanches, pró-reitora de graduação do Univem, comemora a grande procura de mulheres pelos cursos de TI da instituição. “Ao contrário da média nacional, os cursos de Ciência da Computação e Sistemas de Informaçãodo Univem têm atraído um número expressivo de mulheres, fruto do sucesso de nossas ex-alunas no mercado de tecnologia que inspira as novas gerações”, destaca a pró-reitora do Univem.

Alunos da Computação do Univem destacam-se como Bolsistas Fapesp

O aluno do curso de Bacharelado em Ciência da Computação do Univem, Thiago Aparecido Gonçalves da Costa é mais um aluno contemplado com a bolsa de pesquisa mais concorrida no universo acadêmico, a bolsa Fapesp. A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo é uma das principais agências de fomento à pesquisa científica e tecnológica do país. Com autonomia garantida por lei, a Fapesp está ligada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado de São Paulo e apoia projetos de pesquisa em universidades e empresas do Estado.

Segundo o Prof. Dr. Fábio Dacêncio Pereira, coordenador de pesquisa e extensão do Univem, as bolsas Fapesp são disputadas por alunos de todo Estado de São Paulo, incluindo instituições públicas como Usp, Unesp, Unicamp e Universidades Federais. O processo seletivo é muito rigoroso e os projetos são avaliados com base na sua originalidade e relevância científica. O aluno deve ter um notório histórico acadêmico, que inclui a participação em eventos e publicações.

A pesquisa do aluno Thiago faz parte de um projeto de pesquisa desenvolvido no Grupo de Pesquisa Inovação em Tecnologias Informacionais Computacionais vinculado ao Computing and Information Systems Research Lab – COMPSI, laboratório de pesquisa em Computação e Sistemas de Informação, que congrega várias atividades ligadas à prática docente e discente dos cursos de Bacharelado em Ciência da Computação e Sistemas de Informação do Centro Universitário Eurípides de Marília. Este projeto tem a Universidade de São Paulo (Usp) e a Universidade Federal do Sergipe (UFS) onde os professores doutores Elvis Fusco e Fábio Dacêncio Pereira desenvolvem seus pós-doutorados.

     Alunos bolsistas Valdir, Fernanda, Monique, Thiago e Jordan.

A trajetória do aluno e o projeto

No terceiro ano do Ensino Médio em 2013, Thiago participou da 1ª Olimpíada de Programação para Alunos do Ensino Médio oferecida pelo Univem, no qual foi um dos vencedores da competição. Consequentemente, devido a esta conquista, despertou interesse por programação e começou a cursar Ciência da Computação no Univem.

No primeiro ano participou de um programa de estágio de 3 meses oferecido pela instituição em parceria com a Boa Vista Serviços destinado aos finalistas da Olimpíada do Ensino Médio.

Posteriormente, estagiou como tutor presencial do Núcleo de Educação à Distância do Univem e foi bolsista de iniciação científica financiada pelo CNPq, durante 3 anos e agora iniciará sua pesquisa fomentada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

Seu projeto intitulado “Arquitetura de Apoio a Processos de Inovação Baseada em Estruturas Informacionais Semânticas” possui o objetivo de estabelecer um mecanismo computacional de extração de dados de fontes informacionais produzidos pelos atores de inovação (governo, estado e universidades) em um espaço informacional delimitado a Parques Tecnológicos e Centros de Inovação Tecnológica credenciados ao Sistema Paulista de Ambientes de Inovação (SPAI), no qual estes mecanismos serão capazes de se adaptar a mudanças de contexto e consequentemente proporcionar uma extração semântica de informação que será a base da plataforma de apoio aos ambientes de inovação consolidados.

Outros alunos bolsistas FAPESP da Computação do UNIVEM

Atualmente os alunos Valdir Amâncio Pereira Jr. e Fernanda  Mayumi Onuma Tachibana também são bolsista Fapesp. Estes alunos já participaram e publicaram em eventos internacionais em países como EUA e Argentina e também tiveram seus trabalhos de pesquisa publicados nos melhores eventos nacionais na área de computação.

Fernanda, destaca que seu projeto de pesquisa intitulado como “Análise de Metodologias de Implementação e Desempenho em FPGA dos Algoritmos Criptográficos Leves Simon, Speck e Simeck”, trata-se de uma análise sobre mecanismos tecnológicos da área de segurança da informação, que garantem a proteção de informações contidas em dispositivos que possuem recursos limitados como smartphones e dispositivos que compõe a Internet das Coisas.

O projeto iniciou-se no primeiro semestre do ano de 2016, desenvolvendo uma forma de assegurar a proteção de dispositivos limitados, onde estes muitas vezes armazenam e transmitem informações pessoais.

No decorrer da pesquisa, foram implementados três algoritmos criptográficos, chamado cifra de bloco leve, estes específicos para os cenários onde os recursos são limitados em relação ao processamento e a bateria. Isto feito, foram analisadas e propostas novas arquiteturas que podem aumentar o desempenho destes algoritmos quando implementadas em dispositivos limitados. Esta área da segurança da informação está em constante desenvolvimento pela necessidade de proteção deste tipo de dispositivo que gradualmente está ganhando visibilidade.

Valdir comenta que seu projeto de pesquisa intitulado “Desenvolvimento de soluções para a melhoria da consciência situacional em ambientes de gerenciamento de emergências”, apresenta um conjunto de métodos e ferramentas que juntas compõem uma solução para melhorar sistemas de monitoramento e mapeamento de emergências, tais como os adotados pelas forças de segurança (ex: polícia, bombeiros, etc).

O projeto demonstra como melhorar a inteligência destes sistemas, de forma que tarefas de localização de pessoas e objetos de interesse e a logística dos recursos para busca e apreensão sejam realizadas com maior eficácia e eficiência, como, por exemplo, para obter melhores dados sobre um determinado crime e proporcionar um melhor atendimento à ocorrência.

Os professores orientadores Prof. Dr. Fábio Dacêncio Pereira, Prof. Dr. Elvis Fusco e Prof. Dr. Leonardo Castro Botega destacam que esses alunos serão futuros candidatos a ingressar nos melhores programas de mestrado do país, como já é tradição dos cursos de Bacharelado em Ciência da Computação e Bacharelado em Sistemas de Informação do Univem.

Além dos bolsistas Fapesp os cursos contam com bolsistas CNPq que atuam no laboratório de pesquisa do COMPSI. O CNPq do Governo Federal concede bolsas para a formação de recursos humanos no campo da pesquisa científica e tecnológica, em universidades, institutos de pesquisa, centros tecnológicos e de formação profissional, tanto no Brasil como no exterior. Neste contexto, destacam-se os bolsistas Jordan Ferreira Saran e Monique Elen Fernandes Altero.

O Prof. Dr. Elvis Fusco, coordenador dos cursos na área de TI do Univem, destaca que estes alunos competem com os melhores alunos de universidade públicas de renome em eventos e prêmios. Elvis comenta que o aluno Thiago Aparecido Gonçalves da Costa, que acaba de conquistar uma bolsa Fapesp também conquistou uma bolsa do Santander Universidade e passará um período de intercâmbio na Europa para aprimorar sua pesquisa, conhecimento e experiência.

O Prof. Dr. Leonardo Botega aproveita para convidar toda comunidade para o FLISOL 2017 – Festival Latinoamericano de Instalação de Software Livre, maior evento de divulgação de Software Livre da América Latina. O evento acontece desde 2005 em diversas sedes nacionais e internacionais, e seu principal objetivo é promover o uso de software livre, apresentando seu ideal, seu alcance, avanços e desenvolvimento ao público em geral.

FLISOL 2017, 08 de abril no Univem. Inscrições em breve pelo site: www.compsi.univem.edu.br

Aluna de Ciência da Computação do Univem apresenta pesquisa em Bariloche

Fernanda Mayumi Ohnuma Tachibana, aluna do curso de Bacharelado em Ciência da Computação do Univem apresentou seu trabalho de pesquisa apoiado pela FAPESP na 23° edição do IBERCHIP, workshop que oferece um fórum anual para pesquisadores acadêmicos e industriais de países ibero-americanos, onde há trocas de experiências e compartilhamento de conhecimentos, estabelecendo relações para fomentar o desenvolvimento de atividades relacionadas ao campo da microeletrônica e computação.

O evento aconteceu na Argentina, na cidade de Bariloche e contou com a publicação e apresentação da aluna Fernanda Mayumi Ohnuma Tachibana, sob a orientação do Prof. Dr. Fábio Dacêncio Pereira.

fernanda

O trabalho titulado como “Análise de Metodologias de Implementação e Desempenho em FPGA dos Algoritmos Criptográficos Leves Simon, Speck e Simeck”, trata-se de uma análise sobre mecanismos tecnológicos da área de segurança da informação, que garantem a proteção de informações contidas em dispositivos que possuem recursos limitados como smartphones e dispositivos que compõe a Internet das Coisas.

O projeto iniciou-se no primeiro semestre do ano de 2016, desenvolvendo uma forma de assegurar a proteção de dispositivos limitados, onde estes muitas vezes armazenam e transmitem informações pessoais. No decorrer da pesquisa, foram implementados três algoritmos criptográficos, chamado cifra de bloco leve, estes específicos para os cenários onde os recursos são limitados em relação ao processamento e a bateria. Isto feito, foram analisadas e propostas novas arquiteturas que podem aumentar o desempenho destes algoritmos quando implementadas em dispositivos limitados. Esta área da segurança da informação está em constante desenvolvimento pela necessidade de proteção deste tipo de dispositivo que gradualmente está ganhando visibilidade.

Fernanda, diz que pretende ingressar em um programa de mestrado em Engenharia Elétrica, dando continuidade à pesquisa acadêmica. A aluna desenvolve pesquisa científica desde o primeiro ano da graduação, onde os dois primeiros anos foi bolsista CNPq. O CNPq concede bolsas para a formação de recursos humanos no campo da pesquisa científica e tecnológica, em universidades, institutos de pesquisa, centros tecnológicos e de formação profissional, tanto no Brasil como no exterior.

Atualmente a aluna recebe apoio com uma bolsa de iniciação científica da Fapesp com o projeto na área de segurança da informação. A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo é uma das principais agências de fomento à pesquisa científica e tecnológica do país. Com autonomia garantida por lei, a FAPESP está ligada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação.

Univem abre inscrição para turma de Inclusão Digital para a Terceira Idade

O Univem, por meio dos cursos de Ciência da Computação e Sistemas de Informação está com inscrições abertas para o curso de Inclusão Digital para a Terceira Idade. As inscrições podem ser feitas pelo telefone 2105-0800, ramal: 372 no Núcleo de Atividades Complementares do UNIVEM.

Com aulas semanais no período da tarde das 18h00 às 19h00, o início está previsto para o dia 08 de março. O curso tem 40 vagas, gratuito e termina em junho.

O projeto de Inclusão Digital do Univem completou treze anos em 2016 e, desde o início, atende além da terceira idade, crianças e jovens alunos da Apae. Além dos primeiros contatos com a informática, para a maioria deles, o projeto tem o objetivo de estimular o aprendizado e promover a socialização dos alunos. As aulas são semanais e acontecem nos laboratórios do Univem, com o acompanhamento de monitores que são alunos da graduação dos cursos de Ciência da Computação e Sistemas de Informação, coordenados pela professora Renata Paschoal.

Inclusão_Digital_Terceira_Idade_Univem

                     Dirigentes do Univem entregam certificados para concluintes da turma de 2016.

 Uma pesquisa do IBGE comprova que, ao contrário do que se imagina, os idosos usam cada vez mais a internet. Em cinco anos, o número de pessoas acima de 60 anos que acessam a rede mais que dobrou: eram 5,7% em 2008, superados pelos 12,6% em 2013. Outra pesquisa de 2015, realizada pela AVG Technologies em diversos países, incluindo o Brasil, descobriu que o celular é o dispositivo mais utilizado entre os idosos, abrangendo 86% dos entrevistados. 76% deles utilizam o Facebook e apenas 9% não usam nenhum serviço de comunicação.

Segundo a Profa. Renata, este projeto já recebeu inúmeras menções honrosas como a edição nacional do Prêmio Cidadania Sem Fronteiras oferecido pelo Instituto Cidadania Brasil (www.institutocidadania.org.br), em parceria com a Secretaria de Ciência e Tecnologia para Inclusão Social do Ministério da Ciência e Tecnologia. O projeto também foi premiado durante a Cerimônia de Entrega do “Prêmio  Ações Inclusivas para Pessoas com Deficiência“, uma iniciativa da Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência do Governo do Estado de São Paulo.